A crescente e perigosa instabilidade no Haiti, país que teve quase 20 governos em 35 anos

Correio do Pantanal

7 fev 2021 às 21:38 hs
A crescente e perigosa instabilidade no Haiti, país que teve quase 20 governos em 35 anos
  • Lioman Lima – @liomanlima
  • BBC News Mundo
Oposição convocou novos protestos para domingo (8/2), data em que cobram saída do presidente
Legenda da foto,Oposição convocou novos protestos para domingo (8/2), data em que cobram saída do presidente

O Haiti, a nação mais pobre do Ocidente, vive um dia crítico neste domingo (7/2).

Houve um ultimato de setores da oposição, advogados, acadêmicos e igrejas para o presidente Jovenel Moïse deixar o cargo, tendo em vista que seu mandato de cinco anos está perto do fim.

Moïse, por sua vez, que tomou posse em 2017 (um ano depois do que se esperava por causa de irregularidades e protestos que levaram à repetição das eleições de 2015), garante que o seu governo só terminará em 2022.

A chegada do dia 7 de fevereiro, dia em que segundo a Constituição deve ocorrer a transferência do poder, foi precedida por uma onda de protestos e greves que culminaram na militarização das ruas de Porto Príncipe e outras cidades da nação caribenha.ADVERTISEMENThttps://2fe9d0141857d37e2b3b6203067707b6.safeframe.googlesyndication.com/safeframe/1-0-37/html/container.html

“O foco atual das tensões é que, de acordo com um grupo crescente de atores, o comando do presidente termina neste domingo e o presidente tem uma interpretação diferente”, disse Alexandra Filippova, do Instituto de Justiça e Democracia no Haiti, à BBC News Mundo (serviço da BBC em espanhol).

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.