Sucuris gigantes são flagradas durante expedições de fotógrafos subaquáticos em rios de MS

Correio do Pantanal

10 mar 2021 às 18:06 hs
Sucuris gigantes são flagradas durante expedições de fotógrafos subaquáticos em rios de MS

Estrangeiros são o principal público dos eventos que acontecem na região de Bonito, sudoeste de Mato Grosso do Sul.

Por Flávio Dias, G1MS — Campo Grande

10/03/2021 16h28  Atualizado há 2 minutos


Sucuri foi fotografada até sair do rio Formoso, em Bonito — Foto: Daniel De Granville / Photo in Natura

Sucuri foi fotografada até sair do rio Formoso, em Bonito — Foto: Daniel De Granville / Photo in Natura

Os flagrantes que para alguns geram medo, para fotógrafos subaquáticos, é um dos melhores momentos de registrar sucuris gigantes em rios de águas cristalinas de Mato Grosso do Sul. As expedições para observar esses animais, sempre acontecem no inverno, mas por conta da pandemia, a última edição, prevista para 2020, teve que ser cancelada.

Debaixo d’água, ou em solo firme, profissionais estrangeiros e apaixonados pela vida selvagem, anualmente vêm até o estado, na região de Bonito, a 300 km de Campo Grande, em busca dos grandes animais que chegam a medir 7 metros de comprimento.

Mergulhadores estrangeiros captam imagens subaquáticas de sucuri — Foto: Daniel De Granville / Photo in Natura

Mergulhadores estrangeiros captam imagens subaquáticas de sucuri — Foto: Daniel De Granville / Photo in Naturahttps://b80f41f5225828796095891ddeaac61e.safeframe.googlesyndication.com/safeframe/1-0-37/html/container.html

Segundo biólogo Daniel De Granville, autor das imagens e que trabalha nessa atividade para atender o público específico, sua função que além de oferecer segurança aos clientes, é também cuidar para que as sucuris não se sintam ameaçadas durante o período em que os registros são feitos. Fotos que foram republicadas em sua rede social nos últimos meses, tem viralizado na internet.

“Deixo bem claro para os fotógrafos, que aqui não se deve chegar muito perto das sucuris e muito menos encostar nelas, até por conta da nossa legislação. Caso o animal se sinta incomodado, a expedição termina naquele momento”, explicou ao G1.

Sucuris durante acasalamento, em MS. — Foto: Daniel De Granville/Photo in Natura

Sucuris durante acasalamento, em MS. — Foto: Daniel De Granville/Photo in Natura

Ainda de acordo com Granville, o resultado final das imagens feitas das sucuris e que geralmente viralizam nas redes sociais, tem contribuído para a desmistificação de que o animal é perigoso. As fotos que mostram tantos detalhes desses animais, também ajudam no avanço das pesquisas científicas.

“Depois que começamos a exibir fotos assim, os turistas que vêm a Bonito e região, têm mostrado mais interesse e curiosidade em ver de perto esses animais”, afirma.

Ariranha encontra sucuri no fundo de rio de águas cristalinas, em MS. — Foto: Daniel De Granville/Photo in Natura

Ariranha encontra sucuri no fundo de rio de águas cristalinas, em MS. — Foto: Daniel De Granville/Photo in Natura

Conforme o biólogo, as expedições que acontecem no inverno, porque é o período de acasalamento e esse é o motivo de encontrá-las com maior facilidade: “Por conta das baixas temperaturas, nessa época, as noites são frias e, durante o dia, as sucuris costumam sair para tomar sol de manhã e aí é o momento que fica mais fácil para fazer os flagrantes”, explicou.

Segundo Granville, é preciso paciência antes de encontrar os animais, porque esses são discretos, não costumam fazer barulhos e não deixam rastros.

Sucuri flagrada durante expedição de fotógrafos, em MS. — Foto: Daniel De Granville/Photo in Natura

Sucuri flagrada durante expedição de fotógrafos, em MS. — Foto: Daniel De Granville/Photo in Natura

Outro ponto positivo que o biólogo destaca referente aos eventos que possibilitam a observação das sucuris, é que muitos proprietários rurais, hoje demonstram orgulho em ter sucuris em suas propriedades: “Antes era relativamente comum quererem se livrar destes animais, por medo. Hoje eles nos chamam para mostrar o bicho quando encontram”, finaliza.

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.