Presidente da Coreia do Sul: Biden restaurou “a alma” dos Estados Unidos

Correio do Pantanal

21 maio 2021 às 16:42 hs
Presidente da Coreia do Sul: Biden restaurou “a alma” dos Estados Unidos
O Presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in
O Presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-inFoto: AFP

JN/AgênciasHoje às 18:36

O Presidente da Coreia do Sul afirmou esta sexta-feira que o seu homólogo norte-americano, Joe Biden, restaurou “a alma” dos Estados Unidos, ao promover a união e o rápido desenvolvimento das vacinas anti-covid, aspeto fundamental para a recuperação económica internacional.

Moon Jae-in falava à comunicação social antes de uma reunião na Casa Branca, em Washington, com a vice-Presidente norte-americana, Kamala Harris, e algumas horas antes do encontro com Biden, no qual é expectável que a questão norte-coreana concentre as atenções dos dois governantes.

“Os meus parabéns à administração de Biden e de Harris por ter desenvolvido o processo de disponibilização de vacinas [contra a doença covid-19] com o maior sucesso no mundo, pela rápida recuperação económica e por ter aberto um caminho para a inclusão e a união, restaurando a alma dos Estados Unidos“, declarou o representante sul-coreano.

Moon Jae-in considerou que a alma dos Estados Unidos também está presente na história da aliança com a Coreia do Sul, que há 70 anos foi forjada com “sangue” na Guerra da Coreia (1950-1953), conflito no qual Washington e Seul lutaram pela “democracia” e pela “liberdade” contra a Coreia do Norte, que contava com o apoio da China e da antiga União Soviética.

O Presidente da Coreia do Sul deslocou-se a Washington com o objetivo de obter a colaboração de Biden para promover a paz na península coreana.

O líder sul-coreano, que deixará o cargo daqui a menos de um ano (na Coreia do Sul só é permitido um mandato presidencial), concentrou a sua gestão política na melhoria das relações com o regime de Pyongyang e na construção de um caminho de paz entre os dois países vizinhos.

Moon Jae-in reiterou recentemente este compromisso político, cuja concretização terá de passar pelo apoio do Presidente Joe Biden.

O principal ponto de discórdia entre Moon e Biden são as denúncias frequentes por parte de Washington sobre os abusos dos direitos humanos do regime norte-coreano.

Seul defende que tal dossiê deve ser colocado à margem até que o diálogo entre os dois países seja restabelecido e a paz seja firmada.

Moon Jae-in é o segundo líder internacional que visita a Casa Branca (sede da Presidência norte-americana) desde a tomada de posse de Joe Biden, no passado dia 20 de janeiro.

O primeiro-ministro do Japão, Yoshihide Suga, foi o primeiro dignitário a ser recebido por Biden, em 16 de abril.

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.