Em visita ao MS, Arthur Lira diz que impeachment não está na pauta, caso seja eleito na Câmara
  • No Banner to display

  • celular

Correio do Pantanal

22 jan 2021 às 22:42 hs
Em visita ao MS, Arthur Lira diz que impeachment não está na pauta, caso seja eleito na Câmara

Parlamentar que disputa a presidência da Câmara Federal fez reunião com deputados e o governador, Reinaldo Azambuja, em busca de votos na eleição.

Por João Pedro Godoy e Dyego Queiróz, G1MS e TV Morena

22/01/2021 20h07  Atualizado há 3 horas


Arthur Lira (PP-AL) em campanha pela presidência da Câmara Federal em Campo Grande (MS) — Foto: Dyego Queiróz/TV Morena

Arthur Lira (PP-AL) em campanha pela presidência da Câmara Federal em Campo Grande (MS) — Foto: Dyego Queiróz/TV Morena

O deputado federal Arthur Lira (PP-AL) visitou Campo Grande nesta sexta-feira (22). Ele chegou à capital de Mato Grosso do Sul por volta das 12h e se encontrou com deputados da bancada federal, além de almoçar com o governador do estado, Reinaldo Azambuja (PSDB). O parlamentar disputa a presidência da Câmara FederalA votação será em fevereiro.

Em coletiva de imprensa após os compromissos oficiais, Lira afirmou que o impeachment do presidente Jair Bolsonaro não é algo que faz parte da campanha dele. “Temos um presidente da Câmara (deputado Rodrigo Maia, do DEM-RJ) que está ainda em seu mandato e não quero tirar nenhum dia dos últimos 8 que ele tem de mandato, quem tem de responder isso é ele”, afirmou.

Sobre o posicionamento pessoal quanto a um possível impeachment, o candidato à presidência da Câmara Federal se esquivou. “Se tiver maioria, qualquer assunto vai ao plenário. Não temos preconceito com nada que tramite naquela casa. Deputados são plurais, com diversas ideologias, tem quem defenda que ela esteja sob a presidência e relatoria do deputado Trad, que tem meu total respeito, é muito competente. Se o assunto tiver aprovação da comissão, tiver maioria do plenário e voto para ser aprovada, ele será”, completou.

Na coletiva em Campo Grande, Lira fez questão de afirmar que se encontrou com praticamente todos os deputados da bancada sul-mato-grossense e que possui apoio da maioria deles. “Conversei com todos, menos com o Dagoberto (PDT), que está em viagem. Saio daqui confiante de que tenho o apoio da maior parte dos parlamentares do estado”, disse.

Lira também falou sobre as metas dele, caso seja eleito presidente da Câmara Federal. “Estamos viajando todos os estados para deixar claro que os parâmetros de funcionamento da Câmara vai deixar de ser o que era, passando de uma pauta personalista para ser a câmara de todos os deputados. Vamos trabalhar com previsibilidade de pauta, sendo anunciadas na semana anterior às votações, com relatores definidos”, afirmou o deputado, que seguiu.

“Ainda teremos a proporcionalidade partidária, atendida de acordo com o que aconteceu na eleição e nós vamos fazer com que as pautas que estão travadas de reformas estruturantes sejam votadas ainda no primeiro semestre, para que tenhamos um Brasil menos contencioso, com mais crescimento e harmonia”, assegurou.

Arthur Lira também falou sobre a campanha para a presidência da Câmara. “Tivemos um ano de 2020 muito difícil, sem presença física na Câmara. Alguns deputados eu não via há muito tempo, só falta irmos na Bahia e no Espírito Santo para finalizar os 27 estados. Estamos ouvindo as bancadas federais, discutindo com elas as necessidades dos estados, as pautas principais de cada um e acho que vamos ter maioria absoluta da bancada de Mato Grosso do Sul para as eleições”.

O parlamentar ainda afirmou estar confiante para vencer a eleição no próximo dia 1. “Somos o único bloco registrado na Câmara até agora, já que os outros são apenas perspectivas, com partidos que os líderes anunciaram, mas não consultaram os deputados. O meu existe, está lá no sistema. Nosso bloco é mais uníssono, mais fiel, com os partidos tendo o mesmo pensamento programático ideológico e ainda estamos conquistando os partidos que estavam do lado de lá e que os deputados não estavam sendo ouvidos. Temos clareza que tínhamos mais votos do que blocos, mas hoje nós temos tanto o maior bloco, quanto mais votos”, finalizou.

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.

%d blogueiros gostam disto: