Pirâmide de São Tomé das Letras é colocada à venda e causa revolta de moradores em MG

Correio do Pantanal

4 fev 2021 às 18:30 hs
Pirâmide de São Tomé das Letras é colocada à venda e causa revolta de moradores em MG

Um dos principais pontos turísticos da cidade, pirâmide é tombada como patrimônio do município, mas fica dentro de uma área particular.

Por EPTV 1

04/02/2021 14h38  Atualizado há 2 horas

Pirâmide de São Tomé das Letras é colocada à venda e causa revolta de moradores em MG

Régis Melohttps://tpc.googlesyndication.com/safeframe/1-0-37/html/container.html

A famosa pirâmide do parque Antônio Rosa, em São Tomé das Letras (MG), foi colocada à venda na manhã desta quarta-feira (3). O fato causou polêmica entre os moradores, que não gostaram nada da notícia.

Apesar de ser um dos principais pontos turísticos da cidade, a pirâmide está em uma área particular dentro do parque, que tem 111 hectares e é de propriedade do município. Ela é tombada como Patrimônio Paisagístico da cidade.

Mesmo que alguém compre a pirâmide, projetos particulares de exploração terão que ser submetidos ao Conselho Municipal do Patrimônio Cultural e Artístico de São Tomé das Letras. Atualmente existem duas leis orgânicas no município que preservam os pontos turísticos. Hoje o acesso à pirâmide é irrestrito.

A pirâmide foi anunciada no site e nas redes sociais de uma imobiliária por R$ 1,2 milhão. O G1 tentou contato com o proprietário, que não quis falar sobre o assunto e afirmou que as tratativas devem ser feitas com a imobiliária.

A prefeitura disse que há algum tempo já tenta negociar o local com o proprietário, mas sem sucesso. Afirmou também que pretende pagar o valor pedido pelo proprietário (leia mais abaixo).Moradores de São Tomé das Letras manifestam contra venda de patrimônio histórico da cidade4 minMoradores de São Tomé das Letras manifestam contra venda de patrimônio histórico da cidadehttps://imasdk.googleapis.com/js/core/bridge3.438.0_pt_br.html#goog_44215636–:–/–:–

Moradores de São Tomé das Letras manifestam contra venda de patrimônio histórico da cidade

A pirâmide começou a ser construída em 1978 e ficou pronta na década de 1980. Ela pertence a uma pessoa do estado de São Paulo, que agora quer vender o ponto turístico e a área entorno, que tem cinco mil metros quadrados.

Moradores revoltados

Revoltados, moradores foram até o local na manhã desta quinta-feira (4) e se manifestaram com faixas e cartazes. Eles pedem para que o local seja desapropriado pela prefeitura.

“Em primeiro lugar, a pirâmide é um patrimônio público, digamos assim, embora ela seja de propriedade particular, ela está dentro de uma área tombada, uma área ambiental, então essa é a nossa grande surpresa, de se colocar à venda um ponto turístico da cidade”, disse Cheila Seixas, membro da Associação da Sociedade Civil de São Tomé das Letras.

“O que a gente espera é uma desapropriação por parte da prefeitura, que não significa que vai ser tomada do proprietário, mas que vá ser feita uma venda forçosa e que se essa venda representa a retomada, e que se tiver que ter alguma exploração ou algo, que isso seja revertido para a população e que não seja mais uma exploração capitalista, o que a gente espera é isso”, completou Cheila.

Moradores protestam por venda da pirâmide, principal ponto turístico de São Tomé das Letras — Foto: Reprodução EPTV

Moradores protestam por venda da pirâmide, principal ponto turístico de São Tomé das Letras — Foto: Reprodução EPTV

O que diz a prefeitura

Em 2018, a prefeitura tentou uma negociação para adquirir a pirâmide definitivamente, mas a tratativa fracassou.

Em nova divulgada nas redes sociais nesta quinta-feira (4), o prefeito de São Tomé das Letras, Tomé Reis Alvarenga, disse que a prefeitura tem tentado negociar com o proprietário a compra do imóvel pelo Poder Público há algum tempo.

O prefeito afirmou ainda que o dono possui escritura, mas que é de interesse do município adquiri-la. Conforme apurado pela equipe da EPTV Sul de Minas, afiliada da TV Globo, o valor que a prefeitura pretende pagar pela área é de R$ 1,2 milhão, o mesmo pedido pelo proprietário.

Ainda conforme a prefeitura, uma reunião com o proprietário está marcada para a próxima segunda-feira (8).

Além do interesse em comprar a pirâmide, outra opção da prefeitura seria de desapropriar o local. Desapropriação é o procedimento de direito público pelo qual o Poder Público transfere para si a propriedade de terceiro, por razões de utilidade pública ou de interesse social, normalmente mediante o pagamento de indenização. O G1 questionou a prefeitura sobre o assunto, mas não obteve retorno até a última atualização desta reportagem.

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.