O Primado – Tu és Pedro e eu te darei as chaves do Reino dos Céus.

Correio do Pantanal

30 jun 2021 às 10:09 hs
O Primado – Tu és Pedro e eu te darei as chaves do Reino dos Céus.

PALAVRAProclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus 16,13-19

Naquele tempo: 13Jesus foi à região de Cesaréia de Filipe e ali perguntou aos seus discípulos: “Quem dizem os homens ser o Filho do Homem?” 14Eles responderam: “Alguns dizem que é João Batista; outros que é Elias; Outros ainda, que é Jeremias ou algum dos profetas”. 15Então Jesus lhes perguntou: “E vós, quem dizeis que eu sou?” 16Simão Pedro respondeu: “Tu és o Messias, o Filho do Deus vivo”. 17Respondendo, Jesus lhe disse: “Feliz es tu, Simão, filho de Jonas, porque não foi um ser humano que te revelou isso, mas o meu Pai que está no céu. 18Por isso eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra construirei a minha Igreja, e o poder do inferno nunca poderá vencê-la. 19Eu te darei as chaves do Reino dos Céus: tudo o que tu ligares na terra será ligado nos céus; tudo o que tu desligares na terra será desligado nos céus”. Palavra da Salvação. Glória, a Vós, Senhor!

MENSAGEM – A Liturgia celebra a festa solene de dois apóstolos, que tiveram uma presença marcante na Igreja primitiva: São Pedro e São Paulo. PEDRO, DISCÍPULO de Jesus, escolhido por ele como o primeiro Papa e PAULO, o primeiro MISSIONÁRIO, que levou a Igreja ao mundo. Os dois personificaram a identidade da Igreja, como discípulo e missionário. A celebração de hoje é muito antiga, anterior até a própria festa do Natal. As Leituras bíblicas falam desses dois grandes apóstolos: Na 1a Leitura, aparece PEDRO: preso pelas autoridades… para agradar os judeus… com data marcada para morrer. (At 12,1-11) Vemos o Testemunho, que gera oposição e perseguição. A Atitude da Igreja, que unida e solidária reza por Pedro. A Presença efetiva de Deus, na comunidade da Igreja, que atende e liberta… Na 2a Leitura, PAULO: (também preso, prestes a morrer, ano 67), escreve um Testamento espiritual de sua vida a serviço do Evangelho, um caminho a ser seguido por todos os cristãos… “Estou pronto…, chegou a minha hora… combati o bom combate… terminei a corrida… conservei a fé… E agora aguardo o prêmio dos justos. O Senhor esteve comigo… a ele GLÓRIA…” (2Tm 4,6-8.17-18) No Evangelho, Cristo confere a PEDRO o Primado sobre a Igreja. (Mt 16,13-19) O texto é uma Catequese sobre o Papel eclesial de Pedro. Tem duas partes: PRIMEIRA PARTE: De caráter cristológico: Define a identidade de JESUS: “Quem sou eu”? Na perspectiva dos homens, Jesus é apenas um HOMEM bom e justo… Na opinião dos discípulos: “Jesus é o CRISTO, o Filho de DEUS”. O Messias esperado por Israel para libertar e salvar o seu povo, Filho de Deus: profunda unidade e intimidade entre Jesus e o Pai… Quem é Jesus para nós? Que lugar ele ocupa em nossa vida? SEGUNDA PARTE: De caráter eclesiológico: A IGREJA é convocada à volta de Pedro: “Pedro, és a Rocha (pedra) sobre a qual edificarei a minha Igreja”. Essa “Rocha” é a fé que Pedro e a comunidade dos discípulos professaram: A fé em Jesus como Messias, Filho de Deus vivo. “O Poder da morte nunca poderá vencê la”. Jesus garante a estabilidade e a firmeza da Igreja frente às forças do mal. “O poder das chaves”: Revela a futura missão de Pedro: “Pedro recebe ‘as chaves do Reino’ e ocupa o primeiro lugar, com a missão de guardar a fé na sua integridade e de confirmar os seus irmãos”. (CCIC 109) “Atar e desatar”: A Pedro e à Comunidade é confiado o poder de interpretar as palavras de Jesus, de adaptar os ensinamentos de Jesus aos desafios do mundo e acolher na comunidade todos aqueles que aderem à proposta de Salvação, que Jesus oferece. A IGREJA é a Comunidade dos discípulos que reconhecem Jesus como “o Messias, o Filho de Deus”. A Bíblia nos fala da vocação e da atividade deles: SÃO PEDRO: Simão era um pescador de Betsaida, estabelecido em Cafarnaum. Cristo lhe muda o nome e o chama “Pedra”, porque teria a missão de ser a “pedra fundamental” da futura comunidade que chamaria de Igreja. Simão Pedro é uma das primeiras testemunhas que vê o sepulcro vazio e merece uma aparição especial de Jesus ressuscitado. Depois da ascensão, ele toma a direção da comunidade cristã e é o primeiro a tomar consciência da necessidade de abrir a Igreja aos pagãos. Essa missão espiritual não o livra das deficiências do seu temperamento. Paulo não hesita em contradizê-lo na famosa discussão de Antioquia, para convidá-lo a libertar-se das práticas judaicas. Quando Pedro vai a Roma torna-se o apóstolo de todos. Cumpre, então, plenamente, sua missão de “pedra angular”, reunindo num só “edifício” os judeus e os pagãos e ratifica esta missão com seu sangue. SÃO PAULO chega a Jesus por um caminho diferente. Conhece-o como um adversário, que deve ser combatido, como aquele que anuncia um deus diferente dos mestres de Israel… Um dia no caminho de Damasco é iluminado por uma luz do alto e compreende que Jesus crucificado é o Messias de Deus. A partir daquele momento torna-se um Discípulo fiel e um ardoroso Missionário que percorre, em quatro ou cinco viagens, o mundo conhecido de então, pregando o Evangelho e fundando novas comunidades cristãs. A IGREJA continua a OBRA de Cristo… Na Igreja, Pedro e seus sucessores são os chefes visíveis, aos quais Cristo conferiu um poder e uma autoridade especial. Eles deverão se constituir um sinal de unidade da comunidade edificada por Cristo. “Aquele que preside à caridade”. (Irineu de Lion) Por isso, nesse dia em que a Liturgia relembra esses baluartes da Igreja primitiva, celebramos também o DIA DO PAPA. Hoje o Papa continua a Missão de Pedro e o Testemunho de Paulo, com fidelidade e zelo, como pastor e guia. Gratidão ao Senhor pela presença e pela vida do Papa Francisco. A Igreja vive outros tempos com o carisma e testemunho deste simples homem que abraça a todos no seguimento a Jesus, humilde e pobre. Pe. Antônio Geraldo Dalla Costa–04/07/2021.

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.