MSF encontra 10 mortos em barco de madeira à deriva no Mediterrâneo

Correio do Pantanal

17 nov 2021 às 20:49 hs
MSF encontra 10 mortos em barco de madeira à deriva no Mediterrâneo

Caixa de entrada

MSF encontra 10 mortos em barco de madeira à deriva no Mediterrâneo

Vítimas estavam amontoadas na parte interna da embarcação e podem ter morrido sufocadas

Mediterrâneo Central, 16 de novembro de 2021 – Em 16 de novembro, durante uma difícil operação de busca e resgate a menos de 30 milhas náuticas da costa da Líbia no Mediterrâneo Central, a equipe de Médicos Sem Fronteiras (MSF) a bordo do navio de busca e salvamento Geo Barents encontrou 10 pessoas mortas dentro de um barco de madeira superlotado. Alertado sobre o barco em perigo que estava afundando no mar, o Geo Barents alcançou a embarcação tarde demais para evitar esta tragédia.

O resgate foi realizado após longas horas de trabalho em várias operações no mar, resultando no salvamento de 186 pessoas com vida. O alerta sobre o barco à deriva foi dado pela iniciativa Alarm Phone[1]  e pela[2] Seabird.

Durante a última operação, que permitiu que 99 pessoas fossem levadas em segurança a bordo do Geo Barents, os sobreviventes informaram à equipe de MSF que havia mais pessoas dentro do barco de madeira, que não respondiam quando tentaram falar com elas. A equipe de resgate encontrou os corpos das 10 pessoas na parte inferior do barco. Os sobreviventes contaram à nossa equipe que essas pessoas passaram mais de 13 horas amontoadas, com um intenso cheiro de combustível intoxicante. Acredita-se que tenham morrido sufocadas.

“Depois de resgatar todas as 99 pessoas, vimos os 10 corpos no fundo”, disse Fulvia Conte, vice-líder da equipe de busca e salvamento de MSF a bordo do Geo Barents. “Levamos quase duas horas para recuperá-los e trazê-los a bordo, para que eles possam ter um enterro digno assim que chegarem em terra”.

“Foi horrível e revoltante ao mesmo tempo”, diz Conte. “Esta é outra tragédia no mar que poderia ter sido evitada”.

Abdoulaye[3] foi um dos últimos sobreviventes a deixar o barco de madeira. Ele mal teve tempo de entender o que havia acontecido com seus companheiros de viagem antes que os socorristas de MSF pegassem seu braço e o ajudassem a entrar no bote salva-vidas.

“Deixe-me ver seus corpos. Estes são meus irmãos, viemos do mesmo lugar, passamos pela Líbia juntos”, pediu Abdoulaye assim que chegou ao Geo Barents. “Eu preciso dizer para suas famílias que eles estão mortos. Por favor, deixe-me vê-los”. Sua voz tremia, seu corpo tremia e seus olhos ainda estavam focados no horizonte.  

Em menos de 24 horas, nos dias 15 e 16 de novembro, a equipe de MSF realizou três resgates nas zonas de busca e salvamento de Malta e da Líbia, em águas internacionais, trazendo 186 pessoas em segurança a bordo do Geo Barents. Entre os sobreviventes, há 152 homens e 34 mulheres, entre os quais 61 são menores. Há várias mulheres com filhos pequenos, a mais nova com apenas 10 meses. As pessoas a bordo vêm de vários países, incluindo Guiné, Nigéria, Costa do Marfim, Somália e Síria. Muitos deles tiveram experiências difíceis na Líbia, de onde saiu seu pequeno barco de madeira.

Embora as pessoas resgatadas tenham chorado de alívio e alegria quando chegaram a bordo do Geo Barents, elas mostram sinais de trauma e estresse agudo. A maioria das pessoas fica apavorada após esta provação perigosa. Entre os sobreviventes, alguns tiveram que identificar o cadáver de um irmão mais novo ou de um amigo que faleceu diante de seus olhos algumas horas antes.

“Em um dia como este, quando temos que trazer 10 cadáveres a bordo, testemunhamos mais uma vez a relutância da Europa em fornecer a tão necessária capacidade dedicada e proativa de busca e salvamento no Mediterrâneo Central”, diz Caroline Willemen, coordenadora do projeto de MSF sobre o Geo Barents. “As pessoas sofrem violações horríveis de seus direitos humanos na Líbia e, muitas vezes, sua única saída é fugir e fazer uma viagem extremamente perigosa pelo Mediterrâneo Central”.

“Esta se tornou a rota de migração mais mortal do mundo e isto é vergonhoso”, diz Willemen. “Com 186 sobreviventes a bordo, incluindo parentes de alguns dos falecidos, e pessoas que viajaram por horas no compartimento inferior do barco entre cadáveres, o Geo Barents procurará urgentemente um lugar de segurança para desembarcar este grupo de pessoas extremamente estressadas e provavelmente traumatizadas”.

Desde o lançamento das atividades de busca e salvamento em 2015, MSF enviou equipes médicas a bordo de sete navios de resgate[4], às vezes operando os navios em parceria com outras organizações. No geral, as equipes de busca e salvamento de MSF atenderam mais de 82 mil pessoas. O Geo Barents é o atual navio fretado de busca e salvamento de MSF e iniciou suas operações em maio de 2021. O navio está atualmente no mar para sua quinta missão. Estima-se que 1.225 pessoas morreram ou desapareceram durante a viagem perigosa através do Mediterrâneo Central até agora este ano. Hoje adicionamos mais 10 pessoas a esse número terrivelmente alto. Cerca de 22.825 pessoas desapareceram ou morreram nesta mesma rota desde 2014.

[1]Número de emergência para apoiar pessoas em perigo no mar

[2]Missão civil de reconhecimento aéreo no Mediterrâneo Central –

[3]o nome foi alterado para fins de proteção

[4]https://www.msf.org/mediterranean-migration-depth#ships

ASSESSORIA DE IMPRENSA

Twitter: @MSF_Imprensa

imprensa@msf.org.br

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.