‘Meu sonho é ganhar um rim para ter uma vida normal’, escreve menina de MS em carta ao Papai Noel

Correio do Pantanal

14 dez 2021 às 15:35 hs
‘Meu sonho é ganhar um rim para ter uma vida normal’, escreve menina de MS em carta ao Papai Noel

Nos últimos três anos, Yasmim Miranda tem feito o mesmo pedido no Natal, aniversário, dias das crianças e demais datas: encontrar um rim compatível e ter um vida fora de hospitais.

Por Rafaela Moreira, g1 MS — Mato Grosso do Sul

14/12/2021 13h29  Atualizado há 2 horas


Enquanto a maioria das crianças costumam pedir bola, boneca, carrinhos ou demais brinquedos tradicionais na cartinha ao Papai Noel, a pequena Yasmim Vitória Miranda, de sete anos, espera receber algo que pode mudar a sua vida: um rim.

Há 3 anos, Yasmin pede rim em cartinha para o Papai Noel — Foto: Arquivo pessoal/ Reprodução

Há 3 anos, Yasmin pede rim em cartinha para o Papai Noel — Foto: Arquivo pessoal/ Reprodução

Em sete anos de vida, a pequena Yasmim já realizou mais de 10 procedimentos cirúrgicos. Entre idas e vindas de hospitais, a menina está há mais de 70 dias internada no Centro de Tratamento e Terapia Intensiva (CTI) do Hospital Universitário Maria Aparecida Pedrossian (HU) de Campo Grande.

Apesar da sequência de intervenções médicas, Yasmin arranca sorrisos de todos ao redor com sua simpatia e esperança. Ao g1, a mãe da criança, Fabiane Miranda, de 29 anos, relata que a criança sonha com a doação de um novo órgão para ter mais qualidade de vida.

“Ela tem o mesmo pedido há três anos no aniversário, natal ou ano novo, ela quer um rim novo. Mesmo com todas as adversidades, ela é super compreensiva e entende que tem problema de saúde, Yasmin é uma criança feliz e cheia esperança”, destacou.

A família de Yasmin vêm enfrentando a batalha pela vida há anos. Com um ano de idade, os sintomas apareceram em forma de inchaço e crises renais, o que despertou alerta dos pais. A menina passou por diversas avaliações médicas até ser diagnosticada com síndrome nefrótica, que é uma doença renal, de evolução crônica que afeta vários órgãos e sistemas.

“Procurei vários médicos e me disseram que ela tinha síndrome nefrótica, e que precisaríamos de um tratamento adequado para que ela continuasse viva. Minha filha teve muitas crises de convulsão, até que encontrei um médico que conseguiu estabilizar a doença, mas ela ainda precisa do transplante”, relatou.

Yasmin está 70 dias internada no Centro de Tratamento e Terapia Intensiva (CTI) do HU — Foto: Arquivo pessoal/ Reprodução

Yasmin está 70 dias internada no Centro de Tratamento e Terapia Intensiva (CTI) do HU — Foto: Arquivo pessoal/ Reproduçãohttps://tpc.googlesyndication.com/safeframe/1-0-38/html/container.html

Yasmin vive entre internações, procedimentos cirúrgicos e exames, por conta da doença renal crônica, e sonha em ter uma vida fora dos quartos de hospitais, para atividades consideradas simples, como correr ou frequentar uma escola. Para isso, a menina precisa de um doador compatível para transplante de rim.

Fabiane relatou que a filha já precisou fazer mais de 18 horas de diálise peritoneal, sendo essa uma das formas de tratamento para pacientes com falência da função renal. Atualmente, Yasmin realiza diálises sete dias por semana. Esperançosa, a mãe aguarda ansiosa pela sonhada notícia de que Yasmin será preparada para centro cirúrgico.

“Ela nunca foi para escola, porque não é aconselhável, ela tem restrição alimentar, só pode consumir 120 ml de líquido por dia, entre suco e água, porque ela retém líquido, também não pode realizar esforço físico e vários outros cuidados. O sonho da minha filha é ter uma vida normal”, disse.

Sem poder trabalhar para se dedicar aos cuidados com a saúde da filha, Fabiane passou os últimos sete anos em dedicação integral à Yasmin. A mãe garante não ser nenhum esforço morar no hospital, tendo como recompensa o sorriso e a vontade de viver da menina.

“Sei que o transplante não é uma cura para a doença dela, provavelmente ela deverá passar por novos procedimentos, mas a vida dela será muito melhor, ela terá liberdade. Eu tenho muita fé que vou ver, em breve, o transplante da Yasmin!”, disse.

Mesmo com as adversidades, Yasmin mantém o sorriso no rosto que cativa  — Foto: Arquivo pessoal/ Reprodução

Mesmo com as adversidades, Yasmin mantém o sorriso no rosto que cativa — Foto: Arquivo pessoal/ Reprodução

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.