Greve dos caminhoneiros obriga produtores a jogarem leite fora em Mato Grosso do Sul

Correio do Pantanal

24 maio 2018 às 09:32 hs
Greve dos caminhoneiros obriga produtores a jogarem leite fora em Mato Grosso do Sul

Alguns produtores jogaram fora 2.500 litros do produto de uma só vez.

Caminhoneiros bloqueiam as principais rodovias do estado (Foto: Divulgação / Arquivo pessoal)

Produtores começaram a jogar leite fora em Mato Grosso do Sul nesta quarta-feira (23). A informação é da maior empresa de laticínios do estado com sede em Bandeirantes, a 71 km de Campo Grande, e que conta com 720 produtores cooperados.

“Tem produtor que jogou 2.500 litros de uma só vez. Não tem jeito, tem que tirar o leite da vaca, senão o animal fica doente e morre”, disse Renato Gasparini, diretor comercial do laticínio.

De acordo com o representante da empresa, o problema está sendo gerado porque os caminhões que buscam o leite não estão conseguindo chegar nas propriedades rurais. Os tanques que os produtores possuem conseguem armazenar o produto por máximo 48 horas. A saída encontrada após esse prazo é dar o leite para os porcos ou jogar fora. A distribuição do laticínio também está sendo fortemente afetada, a maioria dos caminhões da empresa não estão saindo para a entrega e outros estão parados nos bloqueios.

Frigoríficos de aves, suínos e carne bovina também estão sendo afetados pela manifestação dos caminhoneiros em Mato Grosso do Sul. A Cooperativa Central Aurora Alimentos, informou que vai paralisar, nesta quinta (24) e sexta-feira (25), as atividades de processamento de aves e suínos em 4 estados: Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná e Rio Grande do Sul.

A JBS, dona do maior número de frigoríficos em Mato Grosso do Sul, divulgou uma nota dizendo que vem monitorando os impactos da greve dos caminhoneiros e está adotando medidas, o que inclui, a paralisação de algumas unidades de carne bovina, aves e suínos, em razão da impossibilidade de escoar sua produção.

Na Central de Abastecimento de Mato Grosso do Sul (Ceasa), cresce a preocupação em relação aos produtos, isso porque caminhões com frutas e verduras não estão passando pelos bloqueios nas rodovias. 80% do que é comercializado na Ceasa de MS vem de outros estados.

“Duas vezes por semana nós recebemos um grande volume de caminhões, na terça-feira e na sexta, nessa terça as cargas conseguiram chegar, mas na próxima sexta eu acho difícil, tem carga parada nas rodovias e outras que nem saíram do local de partida ainda, a tendência é falta de produtos e alta dos preços” disse Edmilson Bandeira, diretor administrativo da Ceasa.

Adesões

O movimento dos caminhoneiros ganhou adesões nesta quarta-feira em Campo Grande. Motoristas de aplicativo aderiram a manifestação e fizeram uma carreata pelo centro da cidade e um bloqueio em pontos estratégicos da avenida Eduardo Elias Zahran, no fim desta tarde. De acordo com a categoria, 60% do valor obtido com o transporte de passageiros é consumido no pagamento do combustível utilizado pelos carros.

Além dos motoristas de aplicativo, motociclistas também protestaram pela elevado preço dos combustíveis. Eles fecharam o cruzamento da avenida Afonso Pena com a rua 13 de maio por cerca de 1 minuto , nesta quarta.

Produtores jogam leite fora  (Foto: Divulgação / Arquivo pessoal)

Produtores jogam leite fora (Foto: Divulgação / Arquivo pessoal)

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.