6 jun 2019 às 11:51 hs
Reinaldo diz que governo está no teto de gastos e enterra chance de reajuste

MIDIAMAX

Governador Reinaldo Azambuja diz que se economia não melhorar, estados dificilmente se salvam. (Foto: Richelieu Pereira)

O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) voltou a falar sobre a complicada situação econômica enfrentada por Mato Grosso do Sul e pelo País, e afirmou que isso se refletiu no fato de os servidores estaduais ficarem sem reajuste em 2019.

De acordo com o chefe do Executivo estadual, a economia brasileira está parada e que se continuar assim, todos as unidades federativas da união dificilmente vão se salvar.

“O que nos preocupa é o baixo crescimento econômico. Isso independe do governo, é uma conjuntura da estruturação econômica hoje no Brasil. Nós precisamos sinalizar ao mundo que somos um país que tem seriedade no trato das questões fiscais, para que os investimentos possam voltar ao país, emprego voltar a crescer e as oportunidades voltarem a surgir”, defendeu Reinaldo, em agenda pública nesta segunda-feira (5).

Para o governador, o alarme em relação às contas públicas se deve principalmente pelas quedas de arrecadação que vêm ocorrendo mês a mês, em todos os segmentos da economia. E, segundo ele, isso impacta diretamente na folha salarial, que cresce anualmente, sem que seja acompanhado pelo aumento nas receitas.

“Não temos espaço [no orçamento]. Hoje nós estamos no teto de gastos do funcionalismo. Quando você está no teto, e você ultrapassa o teto, você tem sanções do tesouro nacional. Então, não dá para ultrapassar o teto de gastos, senão nós vamos ter problemas”, avalia.

“Precisamos da retomada da economia como um todo, e ela só virá com as reformas. Onde você conversa, todo mundo está dizendo que a reforma da Previdência destrava para as outras reformas. Agora é torcer para que isso ande logo e isso mude o humor para economia nacional voltar a crescer e o Brasil precisa voltar a crescer para gerar oportunidades”, encerra.

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.