12 ago 2017 às 05:57 hs
Príncipe George é chamado de “ícone gay” e político irlandês classifica comentário como “doentio”
  • Principe George_1
    Príncipe George sorri nos braços de Kate Middleton e o Príncipe William
    Fotografia: AP/Jason Bell
  • Prince William and his wife Catherine visit Germany
  • Principe George_13
  • Principe George_6
  • Principe George_001
  • Principe George_5
  • Principe George_12
  • Principe George_7
  • Principe George_06
  • Principe George_05
  • Principe George_04
  • Principe George_03
  • Principe George_02
  • Principe George_01
  • Principe George_0
  • Principe George_2
    Agpsto de 2013
    Fotografia: AFP
  • Principe George_00
  • Principe George_000
  • Principe George_com 17 meses
    Príncipe George com 17 meses
    Fotografia: BBC
  • Principe George_em julho de 2014
    Em julho de 2014
    Fotografia: AP
  • Principe George_
    Fotografia: James Whatling/Reuters
  • Principe George_em outubro de 2013
    O príncipe George no dia de seu batizado, em outubro de 2013
    Fotografia: Reuters/John Stillwell/pool
  • Principe George_1
    Príncipe George sorri nos braços de Kate Middleton e o Príncipe William
    Fotografia: AP/Jason Bell
  • Prince William and his wife Catherine visit Germany

Um site LGBT publicou um artigo em que o príncipe George é chamado de “ícone gay”. O texto está a gerar uma onda de reações negativas, incluindo a de um político irlandês.

Depois de o príncipe George de Inglaterra, de quatro anos, ter sido fotografado com as mãos na cara durante uma viagem à Alemanha, o site PinkNews escreveu um artigo no qual chama o filho de William de Inglaterra e da mulher, Kate Middleton, de “ícone gay”. O diretor do site PinkNews, Benjamin Cohen, afirma que o comentário foi “irónico” e baseado em “centenas” de comentários vistos nas redes sociais.

A justificação não está a ser suficiente para acalmar os ânimos. Jim Allister, líder de um partido unionista irlandês, veio a público dizer que a classificação é “inapropriada” e o canal BBC relata que o político chegou a escrever para o site a pedir que o artigo fosse retirado e feito um pedido de desculpas formal. Cohen refere não ter “qualquer intenção” de retirar o artículo e acusa Allister de ser contra os direitos da comunidade LGBT [comunidade de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transexuais e Transgéneros].

“O príncipe George tornou-se um ícone gay do dia para a noite. O futuro monarca sempre foi querido e bem vestido, mas, um dia antes do seu quarto aniversário, a fotografia dele a segurar a sua cara entusiasticamente mudou tudo”, lê-se na plataforma.

A estação pública de TV britânica relatou ainda que Allister atacou a publicação dizendo que “tornar sexual uma pequena criança desta maneira é absolutamente inapropriado”. “Na realidade, a fotografia que levou a esse comentário mostra apenas um rapaz de quatro anos que está vestido de forma inteligente e feliz por estar num helicóptero com o seu pai e a sua mãe. Pegar numa imagem de um pequeno rapaz e fantasiar com a possibilidade de ele ser um ícone para uma vida definida por sexo é um ultraje e é doentio”.

Benjamin Cohen contra-atacou, afirmando que Allister “afirmou que ser gay é uma ‘vida definida por sexo’” e que “isso sim, é um comentário ultrajoso”.

O príncipe George é o filho mais velho dos Duques de Cambridge e irmão de Charlotte, de dois anos.

TEXTO: Marta Silva

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.