14 nov 2017 às 06:47 hs
Novo balanço do sismo na fronteira Irão-Iraque dá conta de mais de 400 mortos

Terramoto fez ainda mais de seis mil feridos

O número de vítimas do sismo que abalou no domingo o Irão aumentou para 407 mortos e 6.700 feridos, segundo o porta-voz do gabinete de crise do país, citado pelas agências semioficiais Fars e Tansnim.

O sismo, de magnitude 7,3 na escala de Richer, foi registado junto à fronteira com o Iraque e foi sentido até à costa do Mediterrâneo, a mil quilómetros de distância.

No Iraque, o terremoto foi sentido em Bagdad e em muitas províncias, tendo feito, segundo o balanço oficial, oito mortos e mais de 336 feridos.

Segundo o Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS, na sigla em inglês), o sismo foi registado às 18:18 de Lisboa na fronteira entre o Iraque e o Irão.

Mais de 100 réplicas foram sentidas desde então.

As redes sociais e os media iranianos mostram imagens de pessoas a fugirem das suas casas e prédios esventrados.

Depois de inicialmente ter colocado o epicentro do sismo no lado iraquiano da fronteira, o USGS colocou-o hoje – assim como o seu homólogo iraniano – no Irão, perto da fronteira, cerca de 50 quilómetros a norte de Sarpol-e Zahab, a cidade mais afetada, com 236 mortos.

Inicialmente, o USGS indicou uma magnitude de 7,2.

O epicentro foi 23,2 quilómetros abaixo da superfície, uma profundidade reduzida, o que pode aumentar os danos provocados pelo sismo.

A zona mais afetada pelo tremor de terra foi a cidade de Sarpol-e Zahab na província de Kermanshah, que fica situada nas montanhas Zagros, que dividem o Irão e o Iraque.

Os residentes naquela zona rural subsistem maioritariamente da agricultura.

O Irão situa-se numa zona sísmica onde ocorrem sismos quase diariamente.

Em dezembro de 2003, um sismo destruiu a cidade histórica de Bam no Irão, na província de Kerman (sudeste). Pelo menos 31 mil pessoas morreram.

Em abril de 2013, o Irão sofreu dois sismos de magnitude 6,4 e de 7,7, o pior abalo desde 1957 naquele país. Os dois causaram cerca de 40 mortos no Irão e no vizinho Paquistão.

Em junho de 1990, um terramoto de magnitude 7,4 no Irão, perto do Mar Cáspio (norte), causou 40 mil mortos, mais de 300 mil feridos e deixou desalojados 500 mil pessoas. Uma área de 2.100 quilómetros, composta por 27 cidades e 1.871 aldeias espalhadas pelas províncias de Ghilan e Zandjan, foi devastada numa questão de segundos.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.