27 dez 2018 às 11:44 hs
Mulher encontrada morta pelo filho teria sido esganada por ex-genro

MIDIAMAX

Foto: Minamar Júnior

A Polícia Civil investiga se Alzai Bernardo Lopes, de 58 anos, teria sido morta pelo ex-genro e se o crime teria sido motivado por vingança, já que o suposto autor estaria inconformado com o fim do relacionamento que tinha com a filha da vítima. O corpo de Alzai foi encontrado pelo filho dela na manhã desta terça-feira (25) na casa onde ela morava no Bairro Moreninha 2, em Campo Grande.

De acordo com informações apuradas pelo Jornal Midiamax, um chinelo havaianas encontrado por equipe da perícia  no local do crime seria do suspeito. Além disso, familiares afirmam que antes de a dona de casa ser morta, o ex-genro chegou a ameaçar a filha da vítima dizendo que ‘uma tragédia aconteceria na família’ caso ela não reatasse o relacionamento.

O caso segue sob investigação conduzida pela Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher).

O caso

Uma mulher de 58 anos foi encontrada morta, na manhã desta terça-feira (25), dentro da própria casa, na rua Timbaúba, na Moreninha 2, em Campo Grande. Alzai Bernardo Lopes foi encontrada pelos filhos, que a princípio, acreditaram em morte natural. Porém, o Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) foi acionado e os médicos constataram que a mulher tinha lesões no pescoço que causaram a morte.

Um dos filhos de Alzai contou ao Jornal Midiamax que esteve com ela na noite da segunda-feira (24), em uma confraternização. Ele deixou a mãe em casa, por volta das 23h30. Por volta das 6 horas, o outro filho – que trabalha como vigilante – retornou do trabalho para a residência e encontrou a mãe caída no chão.

Os filhos acionaram o Corpo de Bombeiros e o Samu, acreditando tratar-se de morte natural. Eles até colocaram a mãe na Alzai. Quando os médicos do Samu chegaram ao local, constataram lesões no pescoço e sangue na boca da mulher, indicando morte violenta.

Segundo o filho, um pé de chinelo foi encontrado dentro da casa e há marcas de pés no muro e também sangue no portão. A suspeita é de que a alguém possa ter pulado o muro. Ainda segundo o filho da vítima, em um primeiro momento, não foram identificados objetos roubados da casa.

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.