16 out 2017 às 11:01 hs
Criança supostamente agredida em Coxim é transferida para UTI do Hospital Universitário
Fonte: Edição MS

Criança segue internada em Campo Grande (Foto: Edição MS)

Por volta das 23 horas deste domingo (15), a menina de 2 anos, que teria sido agredida em Coxim, foi transferida da Santa Casa de Campo Grande para uma UTI (Unidade de Tratamento Intensivo) do Hospital Universitário, também na capital.

O quadro da menina é grave, segundo a tia Mari Rodrigues, que se reveza no acompanhamento com a mãe, no caso a avó da criança. Ela está com traumatismo craniano e com o intestino rompido.

Durante o fim de semana o quadro da menina piorou, os médicos chegaram a dizer para a família que ela tinha 20% de chance de sobreviver, mas aos poucos ela começou a reagir.

Além das lesões, a criança adquiriu uma pneumonia, o que é considerado normal pela equipe que acompanha o caso, pois ela está sedada, respirando com ajuda de aparelhos.

Conforme a tia, a criança também apresentou hemorragia, que foi controlada. A suspeita é de que a menina tenha sido agredida. Ela deu entrada no Hospital Regional Álvaro Fontoura, em Coxim, na quinta-feira (12), dia das crianças, mas, devido a gravidade das lesões, foi transferida para Campo Grande.

A equipe médica que atendeu a menina em Coxim suspeitou de agressão e acionou o Conselho Tutelar e, consequentemente, a polícia. O caso está sendo investigado por Coxim, assim como pela Polícia Civil da capital. A mãe da menina, uma adolescente de 16 anos, está sendo apontada pela própria família como a agressora.

Em Campo Grande, a tia que acompanha a criança e a mãe foram ouvidas, na sexta-feira (13), na DEPAC (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário), pelo delegado João Eduardo Santana Davanço. Como a mãe da menina é acusada de ser a agressora, ela foi informada pelo Conselho Tutelar de Campo Grande de que não poderia acompanhar a criança durante o tratamento.

O outro lado

Ao ser questionada no HR de Coxim, a mãe teria informado que a filha caiu depois de escorregar num tapete. A delegada da DAM (Delegacia de Atendimento à Mulher) de Coxim, Sandra Regina Simão de Brito, deve assumir o caso nesta segunda-feira (16), pois, foi o plantão que atendeu o caso no dia denunciado.

Histórico

A família da própria mãe afirma que a menina vivia sendo agredida. Eles apresentam várias fotos, de hematomas em diversas partes do corpo, ao longo dos dois anos da menina. Uma dessas denúncias resultou em inquérito, onde o ex-padrasto é apontado como o agressor.

A própria tia disse que já denunciou as agressões ao Conselho Tutelar que, por sua vez, garante que todas foram encaminhadas à Polícia Civil. No Conselho Tutelar de Coxim existem denúncias da avó e da tia da criança contra a mãe, assim como da adolescente contra a mãe, avó materna da menina.

Em outras oportunidades, família registrou hematomas na menina (Foto: Arquivo da família)

Corrente de oração

Um grupo está organizando uma corrente de orações em prol da vida da menina. Pessoas de todas as religiões, inclusive líderes religiosos, estão sendo convidados. O convite que está sendo divulgado nas redes sociais informa que será a partir das 18 horas na Concha Acústica.

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.