5 fev 2019 às 10:20 hs
Astrônomos encontram três aglomerados globulares no bojo da Via Láctea

NOTICIAS AO MINUTO

© Pixabay

Dois astrônomos encontraram três aglomerados globulares no bojo da Via Láctea, uma estrutura central de 10.000 anos-luz de comprimento, que provavelmente surgiu graças a antigas estrelas, gás e poeira.

Os aglomerados globulares são grupos que podem ser compostos por milhões de estrelas, gravitacionalmente vinculados dentro de uma única estrutura a aproximadamente 100 ou 200 anos-luz de comprimento.

Estes aglomerados estão entre os objetos mais antigos que conhecemos no Universo, além disso, são relíquias das primeiras épocas da formação da galáxia.

“Como as relíquias da formação estelar no Universo, os aglomerados globulares podem fornecer indícios importantes sobre a história da Via Láctea”, afirmaram Denilso Camargo, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, e Dante Minniti, da Universidade de Andres Bello, no Chile.

Os astrônomos explicaram que o atual bojo avistado é classificado como bojo clássico ou pseudo-bojo. As informações são da Sputnik.

Os bojos clássicos surgem a partir de violentas colisões e fusões entre galáxias ou diminuição do gigante tufo de gás e hospeda a mais antiga propulsão estelar com uma estrutura esférica.

Já os pseudo-bojos podem surgir em períodos mais longos por meio de processos internos como as instabilidades do disco e evolução secular, segundo o portal SCI News.Esses aglomerados podem permitir a reconstituição dos processos físicos presenciados pela Via Láctea a partir da sua origem até os dias atuais.

Os novos aglomerados globulares receberam os nomes de Camargo 1107, 1108 e 1109 e estão localizados a uma distância aproximada de 10.800 a 14.000 anos-luz do Sol.

De acordo com os astrônomos, os aglomerados são antigos e extremamente pobres em “metal” (elemento mais pesado do que o hélio), com uma idade de aproximadamente 12 ou 13,5 bilhões de anos.

O Camargo 1107, 1108 e 1109 pode ser o resto de uma classe primordial de aglomerados globulares que foram destruídos principalmente devido aos processos dinâmicos e são as superfícies da área das antigas estrelas que habitam o bojo da Via Láctea e o halo central, afirma os astrônomos, ressaltando que supostamente há uma fração significante de aglomerados globulares que foram formados após o Big Bang, no processo de reionização.

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.