12 out 2017 às 07:00 hs
Antivírus russo usado para espiar computadores e roubar segredos EUA

EPA/RITCHIE B. TONGO

As autoridades russas usaram o programa informático antivírus da empresa Kaspersky para piratear computadoras em todo o mundo e obter informação secreta dos EUA, escreve hoje o The Wall Street Journal

Segundo fontes oficiais não identificadas conhecedoras do assunto, o programa tinha uma modificação que permitia procurar documentos com a legenda ‘top secret’ e que poderiam conter informação confidencial do executivo norte-americano.

Segundo o jornal, as suas fontes de informação acreditam que essa modificação no programa só poderia ter sido feita com o conhecimento da empresa, Kaspersky Lab, sedeada em Moscovo, o que os leva a pensar que o programa se transformou em uma “ferramenta” de espionagem para o governo russo.

Na semana passada, o Wall Street Journal informou que em 2015 piratas informáticos russos usaram ‘software’ da Kaspersky para aceder ao computador pessoal de um contratado da Agência de Segurança Nacional (NSA, na sigla em Inglês), que tinha retirado material do seu computador oficial.

O uso deste antivírus tem sido utilizado de forma extensa e generalizada em todo o mundo

“Não há nenhuma maneira de a Kaspersky ignorar o que o programa faz”, afirmou um ex-funcionário norte-americano que, em 2015, conheceu a forma de utilização deste programa para procurar segredos dos EUA.

O WSJ adiantou que se desconhece quantos computadores ou funcionários públicos possam ter sido visados por este tipo de ação e que tipo de informação possa ter sido pirateada.

Ainda segundo o jornal, Israel alertou os EUA para estas eventuais manobras depois de os seus serviços de informação terem penetrado nas redes da Kaspersky em 2014.

Em junho, todas as agências e serviços federais foram proibidas de usar programas da Kaspersky
ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.