27 nov 2018 às 22:11 hs
“Alice no País da Música” será o novo espetáculo do coreógrafo Marcelo Mariano.

Evento marca 30 anos de dedicação e amor à dança.

Nos finais de ano no Brasil inteiro, do Oiapoque ao Chuí, as cidades vivem um clima de festividades e comemorações. Em Coxim, cidade situada a 250 km da capital Campo Grande não é diferente, o clima de festa começa bem cedo. Em meio ao clima festivo, um grande evento vem ganhando destaque e se tornando tradição na Terra do Pé-de-cedro, o espetáculo de dança sobre o comando do professor e coreógrafo Marcelo Mariano.

Neste ano de 2018 o tema será “Alice no País da Música”, que trará ao palco do salão de eventos do Salão Paroquial da Igreja Matriz de São José 75 bailarinos. Sendo alunos do Estúdio de Artes, crianças do projeto Gaam e o artista Ivanildo José e o bailarino Brendon Feitosa e um importante nome na sociedade Coxinense que se propôs a voltar aos palcos depois de 20 anos sem dançar para comemorar os trinta anos do início da carreira de Marcelo Mariano, onde essa ilustre pessoa misteriosa que o diretor do espetáculo quer manter surpresa, também fez parte desse início na vida profissional do mesmo.

Dessa vez a homenageada será a sua primeira professora de dança, Sandramaria Gonçalves Gomes, que virá de Araçatuba-SP para, com a sua presença, abrilhantar ainda mais o evento.

Marcelo Mariano nasceu em Campo Grande – MS, é bailarino, ator, coreógrafo e professor de Educação Física. Em 1984 com apenas quinze anos Marcelo começou a fazer teatro e logo depois em 1988 começou a dançar no Ballet Arte de Sandramaria. Criativo e dedicado em 1989 já era um dos grandes destaques do grupo. Junto com a dança veio a coreografia e em 1992 já era professor e coreógrafo. O artista tem em seu currículo várias premiações tanto na dança quanto no teatro.

Para ele o ano de 1999 foi muito promissor, foi quando conheceu Neide Garrido, diretora do Ballet Isadora Duncan e junto ao grupo de Duncan obteve várias experiências profissionais, passando a atuar como bailarino profissional em 1999 e 2000 nos Espetáculos Carmem e Drácula onde fez turnê em diversas cidades brasileiras.

Morando no Rio de Janeiro em 2000 e 2001 teve muitas experiências e participou de cursos e oficinas com diversos nomes do meio artístico.  E conhece Dani Marie e Marcelo Misailidis indo morar em Juiz de Fora MG onde tem a honra de dançar com Ana botafogo, entre outros grandes nomes da dança nacional. Em Juiz de Fora-MG viveu por cinco anos obtendo também várias experiências artísticas.

O artista tem uma grande trajetória de dedicação a arte e a cultura seja através de cursos, minicursos, palestras, oficinas, formações, entre outras tantas atividades.

Sua história com Coxim começa efetivamente no ano de 2009 quando participa de trabalhos artísticos com Sandramaria e vê no município uma terra de oportunidade, tanto que em 2010 passa a residir na cidade.

Segundo Mariano, o espetáculo desse ano de 2018, “Alice no país da música” é uma produção que difere de o pequeno príncipe (2016) e Malévola (2017), pois foram idealizadas e obtiveram um processo de criação artística com motivações muito distintas. O ambiente de o Pequeno Príncipe girou em torno das lembranças, da perda e da saudade, pois foi uma homenagem póstuma a mãe. Já Malévola foi uma obra de questionamento, de inquietação, o artista mostrou que a imagem que muitas vezes se faz de uma pessoa como vilão de uma história, muitas vezes se faz através de convenções nem sempre focada na verdade, para ele, nem sempre o vilão é aquilo que realmente aparenta ser, é preciso olhar os dois lados da moeda.

O “Alice no País da Música”, surgiu nos moldes de uma grande celebração, uma comemoração festiva de trinta anos de trabalho do arte-educador, para ele o artista entra no mundo da maravilha toda vez que concretiza uma obra. Marcelo diz que o público vai viajar em diversas músicas que marcaram épocas e que a trilha sonora vai de John Lennon, Queen, Abba, Michael Jackson, Roberto Carlos, Celly Campelo e diversas outros. É uma sinestesia artística, pois se depara muitas vezes sendo e dançando como   Alices, chapeleiros, gatos e lagartas que emanam a alegria da vida…

“Eu me lembro de estar entrando nesse passado de que já vivi, percebo os detalhes do figurino de época; sou guiado pelo coelho ao mundo mágico da música… como é bom estar junto a esses artistas consagrados, viver a dança, incentivar crianças e dar vida a incríveis personagens. O sonho ainda vale a pena, vale a pena acreditar no mundo da maravilha, no mundo da liberdade…”, concluiu o diretor do espetáculo.

Os protagonistas do espetáculo serão:

 

Kenny Sarah Moraes – Alice (protagonista e estrela principal)

Anthony Cavalcante – Chapeleiro Maluco

Ivanildo José- Rainha de Copas;

Brendon Feitosa – Tempo; (melhor bailarino premio onça pintada 2018)

Natália Pedraza – Coelho;

Elise Rocha – Lagarta;

Julia Tainá – Rainha Branca;

Roberta Maissato – Gato;

Gabi Duarte e Julia Longo – Gêmeas;

Priscila Ortiz e Vitória Feitosa – Alice (criança);

Leopoldina Schio – Rainha Branca (criança);

Maria Eduarda Vieira – Rainha de Copas (criança);

Marcelo Mariano- Pai da Alice.

   Por: Josimar Miranda

 

 

 

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.