Filha de Temer diz à PF que não teve ajuda do pai para reformar casa

Correio do Pantanal

4 maio 2018 às 08:43 hs
Filha de Temer diz à PF que não teve ajuda do pai para reformar casa

Maristela Temer prestou depoimento à PF em São Paulo nesta quinta-feira (3). Inquérito apura se empresas do setor portuário pagaram propina em troca de um decreto presidencial.

 

 

G1,

 

Filha de Temer depõe à PF sobre dinheiro usado em reforma de casa

Em depoimento à Polícia Federal, nesta quinta-feira (3), Maristela Temer, uma das filhas do presidente Michel Temer, negou que o pai tenha ajudado a pagar a reforma de sua casa em 2014. A PF apura a origem do dinheiro usado na obra.

O Jornal Nacional teve acesso, com exclusividade, a algumas partes do depoimento, que durou quatro horas e ocorreu numa sala da Polícia Federal, no aeroporto de Congonhas, em São Paulo. Houve um forte esquema de segurança montado pela Presidência da República na região. Maristela entrou e saiu sem ser vista pela imprensa.

A filha de Temer contou ao delegado Cleyber Malta Lopes que pagou a reforma da casa com o dinheiro que ganha como psicóloga, com um empréstimo da mãe, no valor de R$ 100 mil e com dois empréstimos que ela mesma fez no banco. Mas disse que não tem todos os comprovantes dos pagamentos, porque a reforma no imóvel de 350 metros quadrados foi feita há quatro anos.

A investigação faz parte do inquérito que apura se empresas do setor portuário pagaram propina em troca de um decreto presidencial. A PF tenta montar um quebra-cabeça que começou em 2017, quando os delatores da JBS disseram que entregaram R$ 1 milhão de propina ao coronel da PM João Baptista Lima, amigo do presidente Michel Temer há mais de 30 anos. De lá para cá, a suspeita da investigação é que o dinheiro tenha sido usado para reformar a casa de Maristela.

Na quarta-feira (2), a Polícia Federal ouviu o arquiteto Carlos Roberto Pinto. Em junho de 2017, ao Jornal Nacional, ele disse que recebeu R$ 10 mil para dar entrada na prefeitura e cuidar da aprovação do projeto da reforma da casa, e que o pagamento foi feito por transferência bancária pela própria Maristela Temer. Ele também contou que foi contratado pela arquiteta Maria Rita Fratezi, a mulher do coronel Lima.

Na época, outro fornecedor – que não quis gravar entrevista – disse ao Jornal Nacional que pagou para Maria Rita Fratezi R$ 100 mil em dinheiro vivo. Outro fornecedor da obra será ouvido pelo delegado da Polícia Federal na sexta-feira (4).

No depoimento desta quinta, Maristela disse que Maria Rita Fratezi e o coronel Lima nunca foram contratados para fazer a obra nem a empresa deles, a Argeplan.

A filha de Temer reconheceu que, como amiga da família, Maria Rita ajudou a pagar alguns fornecedores e até conseguiu descontos. Foi durante um período de dois anos, em que Maristela morava em Ibiúna, no interior de São Paulo.

Ao ser questionada pelo delegado se Maria Rita Fratezi usou dinheiro indevido sem que ela soubesse, Maristela Temer disse que não acredita nessa possibilidade.

“A Maria Rita prestou esse auxílio por carinho à Maristela. Por conhecer a Maristela desde criança. Esse contato, não foram todas as vezes que a Maria Rita celebrou isso, mas em algumas vezes ela fez o contato direto com os fornecedores, sim”, disse o advogado de Maristela, Fernando Castelo Branco. Segundo ele, não há valor fechado do custo da reforma, mas a sua cliente estima entre R$ 500 mil, R$ 600 mil.

O presidente Michel Temer, que estava nesta quinta-feira em Ribeirão Preto, no interior de São Paulo, para um evento, quando perguntado pelos jornalistas se o depoimento da filha preocupava, respondeu: “Registre o meu sorriso ”.

O que dizem os citados

O Palácio do Planalto declarou que a estrutura de segurança se estende aos parentes do presidente e está prevista em decreto e que não comenta detalhes sobre esse assunto.

A defesa de João Baptista Lima Filho e de Maria Rita Fratezi afirmou que eles jamais cometeram irregularidades ou participaram de qualquer ato ilícito.

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.