Exército respondeu um sonoro ”não!” para determinação do STF

Correio do Pantanal

29 jun 2021 às 21:12 hs
Exército respondeu um sonoro ”não!” para determinação do STF

É bom para o STF lembrar qual é a verdadeira instituição mais poderosa do país

A esquerda tentou manipular o Exército a punir o general Eduardo Pazuello, ex-Ministro da Saúde, por ter participado de uma manifestação política de Bolsonaro, ao fim de sua motociata no Rio de Janeiro. Como se sabe, a oposição ”deu com os burros n’água”, pois o Exército não puniu Pazuello coisa nenhuma.

E para não permitir que a esquerda ficasse vasculhando o processo de Pazuello, o Exército impôs um sigilo de 100 anos, ao que logo os partidos socialistas entraram no STF para incentivar os togados a irem pra cima dos generais. E foi o que fez juíza Carmen Lúcia, cometendo o erro de determinar que o Exército ”prestasse esclarecimentos”.

Ao fim do prazo de 5 dias para a resposta, o Exército simplesmente respondeu com um sonoro ”não!” — ou para ser mais preciso, retorquiram dizendo que o processo de Pazuello trata-se de uma ”questão interna’‘: “Não existe absolutamente interesse público patente, a motivar acesso às informações extraídas de referido processo administrativo disciplinar, o qual regulam unicamente uma relação personalíssima entre um militar e seu comandante, em que se analisa se o subordinado transgrediu ou não uma norma castrense”. 

Essa resposta desmoralizou não só Carmen Lúcia, como todo o STF, que se julga acima de tudo e todos, mas por vezes esquece que as verdadeiras instituições mais poderosas do país são os três braços Forças Armadas (Marinha, Exército e Aeronáutica). Por mais que eles não exerçam muito do seu poder, quando eles decidem fazê-lo, nenhum togado ou engravatado pode pará-los.

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.