‘Eu sempre soube que ele estava vivo’, diz filho que ficou 27 anos sem ver o pai

Correio do Pantanal

24 fev 2021 às 16:10 hs
‘Eu sempre soube que ele estava vivo’, diz filho que ficou 27 anos sem ver o pai

Girlei Barroso, de 37 anos, mora em Belo Horizonte e encontrou o pai na cidade de São Bento Abade, no Sul de Minas.

Por Ana Tereza Almeida, G1 Minas — Belo Horizonte

24/02/2021 11h22  Atualizado há 5 horas


Girlei Barroso, 37 anos, encontrou o pai com ajuda da Divisão de Referência da Pessoa Desaparecida da Polícia Civil — Foto: Divulgação/Polícia Civil

Girlei Barroso, 37 anos, encontrou o pai com ajuda da Divisão de Referência da Pessoa Desaparecida da Polícia Civil — Foto: Divulgação/Polícia Civilhttps://tpc.googlesyndication.com/safeframe/1-0-37/html/container.html

Aos 10 anos, Girlei Barroso, de 37 anos, viu o pai sair de Belo Horizonte para trabalhar e não voltar. A espera durou 27 anos e o reencontro só foi possível após ajuda da Polícia Civil, que encontrou Geraldo Barroso, de 61 anos, na cidade de São Bento Abade, no Sul de Minas, em janeiro deste ano.

“Meu pai foi encontrado em uma casa na beira da estrada, sem água e luz. Quando ele foi para o Mato Grosso trabalhar, eu tinha um amor muito forte por ele. Mesmo as pessoas falando que ele podia ter morrido, eu nunca desisti deste encontro. Eu sempre soube que ele estava vivo”, disse Girlei ao G1.

Quando a polícia localizou o pai, Girlei pegou um ônibus e foi até ele. No dia seguinte, uma irmã de Geraldo foi até o Sul de Minas rever o irmão e pedir para ele ir morar com ela.

Geraldo, que tem outros três filhos, chegou a vir para a capital mineira, mas após 40 dias voltou para São Bento Abade.

“A distância esfriou o sentimento, cheguei a ter medo de não ser aceito por ele. Por causa da pandemia não estamos viajando, mas nos falamos sempre. Ele é meu pai e estamos reconstruindo a nossa relação”, disse Girlei.

O encontro de famílias é realizado pela Divisão de Referência da Pessoa Desaparecida da PC. Quem tem interesse de encontrar uma pessoa desaparecida pode ir até a Avenida Brasil, 464, no bairro Santa Efigênia, em Belo Horizonte.

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.