13 set 2018 às 12:11 hs
Trump diz que número de mortos por furacões em Porto Rico foi inflado por democratas

Governo de Porto Rico divulgou estudo independente que apontou quase 3 mil mortos pelo furacão Maria.


Por G1

Moradora de San Juan, Porto Rico, caminha pelos restos da casa de sua irmã, destruída pelo furacão Maria — Foto: Ramon Espinosa/AP
Moradora de San Juan, Porto Rico, caminha pelos restos da casa de sua irmã, destruída pelo furacão Maria — Foto: Ramon Espinosa/AP

O presidente americano Donald Trump disse nesta quinta-feira (13) que o número de mortos por furacões que atingiram Porto Rico no ano passado, o Irma e o Maria, foi inflado por democratas para prejudicar a sua imagem.

Recentemente, o governo de Porto Rico divulgou o resultado de um estudo independente que apontou que o furacão Maria matou 2.975 pessoas de setembro do ano passado, quando o fenômeno atravessou a ilha com ventos de 250 km/h, até fevereiro de 2018. O balanço divulgado anteriormente era de 64 mortos, número que já gerava desconfiança entre as testemunhas do desastre e foi contestado por um estudo de Harvard.

“Não morreram 3.000 pessoas nos dois furacões que atingiram Porto Rico. Quando saí da ilha, DEPOIS que a tempestade atingiu, eles tinham entre 6 e 18 mortes. Conforme o tempo passou não aumentou tanto. Depois, muito tempo depois, eles começaram a reportar números muito grandes, como 3000…”

“…Isso foi feito pelos democratas para fazer com que eu parecesse o pior possível quando eu estava levantando bilhões de dólares para ajudar a reconstruir Porto Rico. Se uma pessoa morreu por qualquer razão, como idade avançada, simplesmente adicionaram na lista. Políticos ruins. Eu amo Porto Rico!”, disse pelo Twitter.

A prefeita de San Juan, a democrata Carmen Yulin, também foi ao Twitter para responder aos comentários do presidente. “Isso é como a negação após a negligência parece: Senhor presidente, no mundo real, as pessoas morreram sob sua responsabilidade. Sua falta de respeito é espantosa!”, escreveu em um dos tuítes.

“Senhor Trump, você pode tentar nos intimidar com os seus tuítes, mas nós conhecemos nossa vida. Você nunca vai tirar o nosso auto-respeito. Que vergonha!”, afirmou em outro.

Resposta ao furacão foi criticada

Trump já tinha causado indignação nesta semana,no momento em que o furacão Florence se aproxima da costa leste dos EUA, ao dizer que a resposta do governo ao furacão Maria foi um sucesso. Ele felicitou seu governo pela resposta “incrível” à emergência causada.

Na época, Trump foi acusado por políticos locais de ter demorado a conceder a ajuda federal a Porto Rico em comparação com a rapidez que esta havia chegado em Flórida e Texas, atingidos pouco antes pelos furacões Harvey e Irma.

A ilha ficou sem telecomunicações por semanas e sem energia elétrica em grande parte de seu território por meses.

Um mês depois da tormenta, quando a cifra oficial de falecidos era estimada em apenas 16, Trump disse em sua defesa que o desastre não era nada comparado aos 1.833 mortos deixados pelo furacão Katrina na Louisiana em 2005.

Este comentário, junto com as imagens do presidente jogando rolos de papel higiênico aos afetados, indignou a população.

Junto com a desolação deixada pelo Maria houve um êxodo maciço aos Estados Unidos, o que afundou ainda mais a ilha em uma crise fiscal, pela qual havia se declarado em falência alguns meses antes da passagem do furacão.

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.