14 nov 2018 às 13:59 hs
Primeiros migrantes de caravana chegam à fronteira México-EUA

Por G1


Migrantes que chegaram à cidade de Tijuana (México) na terça-feira (13) observam patrulha na fronteira americana. Eles fazem parte de uma caravana com milhares de pessoas que tentam entrar nos EUA  — Foto: Jorge Duenes/ Reuters
Migrantes que chegaram à cidade de Tijuana (México) na terça-feira (13) observam patrulha na fronteira americana. Eles fazem parte de uma caravana com milhares de pessoas que tentam entrar nos EUA — Foto: Jorge Duenes/ Reuters

Cerca de 400 de migrantes chegaram nesta terça-feira (13) à fronteira México-Estados Unidos e alguns escalaram a cerca que divide ambos países sob os olhares dos agentes da patrulha fronteiriça americana. Eles planejam solicitar asilo às autoridades americanas nos próximos dias.

Esse grupo, composto de dezenas de lésbicas, gays e transgêneros, afastou-se da principal caravana com migrantes de países da América Central que segue na direção da fronteira dos Estados Unidos.

A grande caravana saiu em 13 de outubro de San Pedro Sula, em Honduras, e chegou a reunir cerca de 7 mil migrantes. A maior parte deles ainda permanece longe da fronteira, na região de Sinaloa, no oeste do México.

Migrantes se reúnem na fronteira entre o México e os Estados Unidos — Foto: Jorge Duenes / Reuters
Migrantes se reúnem na fronteira entre o México e os Estados Unidos — Foto: Jorge Duenes / Reuters

Esse primeiro grupo a chegar à fronteira fez uma parte do trajeto de ônibus até a região de Playas de Tijuana. De acordo com relato do “Washington Post”, o esforço cotidiano de viajar milhares de quilômetros a pé e pegar carona foi agravado pelo assédio ocasional de outros viajantes.

O hondurenho Erick Dubon, de 23 anos, vinha de San Pedro Sula com o namorado Pedro Nehemias, de 22 anos. Ele relatou ao jornal americano que foram discriminados durante o percurso. “As pessoas não nos deixavam entrar em caminhões, eles nos faziam entrar no fim da fila para tomar banho e nos chamavam de nomes feios ”, declarou.

Os migrantes devem solicitar asilo às autoridades dos Estados Unidos em breve. Porém, a situação não é simples. Na sexta-feira (9), o presidente Donald Trump assinou uma ordem que impede a concessão de refúgio para os imigrantes que entrarem ilegalmenteno país. A ordem também suspende por 90 dias a entrada de imigrantes pela fronteira com o México.

Migrantes caminham perto da fronteira com os EUA, na cidade Playas de Tijuana, no México, na terça-feira (13)  — Foto: Guillermo Arias / AFP
Migrantes caminham perto da fronteira com os EUA, na cidade Playas de Tijuana, no México, na terça-feira (13) — Foto: Guillermo Arias / AFP

Reforço na segurança

A Alfândega e Proteção de Fronteiras dos EUA disseram em um comunicado que está fechando quatro faixas nas passagens de fronteira de San Ysidro e Otay Mesa – alguns dos pontos de entrada mais movimentados ao longo da fronteira. Tropas americanas estão montando barricadas e cercas de arame.

O Departamento de Defesa dos Estados Unidos informou que o secretário James Mattis viajará nesta quarta-feira (14) à fronteira com o México para conhecer o estado das tropas enviadas à região com o objetivo de impedir a entrada ao país de imigrantes ilegais.

Trump acusa os migrantes de protagonizarem uma “invasão” e, para contê-los, determinou o envio de até 9 mil soldados para a fronteira sul.

Caravanas

De acordo com o Center for Immigration Studies, a caravana composta principalmente por hondurenhos, que deixou San Pedro Sula, em 13 de outubro, começou a chegar à cidade de La Concha, em Sinaloa, um estado com forte presença do narcotráfico na costa noroeste do Pacífico do México.

Em sua passagem pelo México, a caravana chegou a somar 7.000 integrantes, segundo as Nações Unidas, mas muitos desistiram pelo caminho. No total, 6.011 migrantes (902 menores de idade) conseguiram chegar a Guadalajara – segundo números das autoridades locais.

Migrantes de países da América Central embarcam na terça-feira (13) em caminhão em Ixtlan del Rio, no estado mexicano de Nayarit, para seguir para Escuinapa, em Sinaloa   — Foto: Alfredo Estrella / AFP
Migrantes de países da América Central embarcam na terça-feira (13) em caminhão em Ixtlan del Rio, no estado mexicano de Nayarit, para seguir para Escuinapa, em Sinaloa — Foto: Alfredo Estrella / AFP

Esse grupo já percorreu 2.500 km a pé ou pedindo carona em caminhões e trens de carga. Neste ponto, protegido por dezenas de policiais, receberam água e comida. Veículos providenciados por um padres chegavam ao local para transportar os migrantes até Sonora, o último estado antes de Tijuana.

Em 31 de outubro, dias depois dessa grande caravana sair de Honduras, uma segunda caravana com mais de mil pessoas, entre adultos, jovens e crianças partiu de El Salvador.

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.