6 jun 2019 às 11:16 hs
‘Por mim, eu botaria 60 pontos na carteira de motorista’, diz Bolsonaro

VEJA

Jair Bolsonaro entrega nesta quarta-feira (5) a Rodrigo Maia projeto de lei que modifica regras do Código Brasileiro de Trânsito e da CNH (Carolina Antunes/PR)

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quarta-feira ,5, que, se dependesse apenas de uma decisão dele, teria elevado de 20 para 60 pontos o limite para suspensão da CNH (Carteira Nacional de Habilitação). “Porque, afinal de contas, a indústria da multa vai deixar de existir no Brasil, como em Goiás”, disse o presidente, que esteve em evento ambiental em Aragarças (GO), cidade que faz divisa com Barra do Garças (MT).

Nesta terça ,4, Bolsonaro entregou pessoalmente à Câmara dos Deputados um projeto de lei que muda o Código de Trânsito Brasileiro. Entre os vários pontos, a proposta amplia de 20 para 40 pontos o limite para suspensão da CNH e elimina exames toxicológicos para motoristas profissionais.

As duas medidas eram promessas feitas por Bolsonaro a caminhoneiros ainda durante a campanha eleitoral. Segundo especialistas, a ampliação do limite de pontos traz risco de elevar o número de acidentes e mortes no trânsito.

Para que as mudanças entrem em vigor, o projeto precisará ser discutido no âmbito das comissões e, depois de aprovado, apreciado pelo plenário da Câmara e do Senado.

De acordo com o presidente, a proposta parece simples, mas tem “profundo alcance”. “Fui lá na Câmara dos Deputados, falei com o presidente Rodrigo Maia, o nosso aliado em vários projetos, apresentar um projeto para fazer com que a Carteira Nacional de Habilitação passe sua validade de cinco para dez anos. Para que o caminhoneiro que transporta aqui o que o Centro-Oeste produz não perca sua carteira com 20 pontos, e, sim, com 40 pontos. Por mim, eu botaria 60 (pontos). Porque, afinal de contas, a indústria da multa vai deixar de existir no Brasil, como em Goiás”, disse Bolsonaro.

Cadeirinha

A proposta entregue nesta terça por Bolsonaro também acaba com a multa para quem não usa cadeirinhas para crianças. O presidente afirmou que a infração continua valendo e que apenas a cobrança da multa deixará de existir. Pelo projeto, os infratores nesse caso serão apenas advertidos por escrito.

“Quero ver se vão continuar multando. Lá no Rio de Janeiro o que é comum: o pessoal faz plantão em cima de escola onde o pai paga 3.000 reais, 4.000 reais de mensalidade. Escola pobre não tem multa. Então é um negócio direcionado para tirar dinheiro do povo. Continua punição na carteira, pontuação. Tiramos o dinheiro fora.”

O presidente informou ainda que acertou com o ministro da Economia, Paulo Guedes, a contratação de 1.000 servidores para a Polícia Rodoviária Federal e voltou a dizer que vai extinguir os radares móveis.

“Hoje em dia tem pardal escondido para tudo o que é lugar, além dos móveis, o trabalhador, o motorista de ônibus, táxi ou caminhão, não perde a carteira (de motorista), perde a carteira de trabalho”, disse.

(com Estadão Conteúdo)

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.