14 nov 2018 às 14:29 hs
MS tem a terceira maior taxa de trabalhadores produzindo, aponta BGE

Levantamento divulgado nesta quarta-feira (dia 14) considera o terceiro trimestre de 2018

Mayara Bueno
Mato Grosso do Sul é o terceiro estado brasileiro com a menor taxa de desocupação da população, 7,2%, de acordo com a PNAD (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios), divulgada nesta quarta-feira (dia 14).

O dado considera pessoa ‘ocupada’ quem está apto a produzir economicamente e trabalha pelo menos uma hora completa de forma remunerada, por conta própria ou empregada. No terceiro trimestre de 2018, período de referência da atual pesquisa, MS tem 1,3 milhão trabalhando. O rendimento mensal de todos os trabalhos está estimado em R$ 2.286.

Gráfico aponta os 27 estados brasileiros e suas respectivas taxas. (Arte: Thiago Mendes).

Gráfico aponta os 27 estados brasileiros e suas respectivas taxas. (Arte: Thiago Mendes).

As menores taxas de desocupação, ou seja, onde a ocupação é maior, foram observadas em Santa Catarina, com 6,2%, e Mato Grosso, com 6,7%. O aumento não representa variação significativa em relação ao ano passado.

Segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), Mato Grosso do Sul tem 23,1% das pessoas de 14 anos ou mais idade ocupadas como conta própria. É o quarto maior índice do Brasil.

O Estado aparece em 8º quando o levantamento fala sobre a proporção de empregados no setor privado, sem carteira de trabalho assinada. São 22,1% de trabalhadores nesta condição.

Dos 2.123.000 que são aptos a trabalhar no Estado, 1.430.000 são as chamadas “pessoas na força de trabalho”, os ocupados e desocupados.

No Brasil, a taxa de desocupação foi de 11,9% e 21 das 27 unidades da federação permaneceram estáveis em relação ao segundo trimestre. As quedas ocorreram em Mato Grosso, Tocantins, Minas Gerais, Ceará e Rio de Janeiro. No terceiro trimestre, as maiores taxas de desocupação são Amapá (18,3), Sergipe (17,5%) e Alagoas (17,1%).

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.