19 dez 2018 às 11:32 hs
Diamante com tamanho de ovo de galinha encontrado no Canadá

A pedra tem 552 quilates e estará entre as 30 maiores alguma vez encontradas. Especialista fala em “milagre”.

É o maior diamante já encontrado na América do Norte. Tem o tamanho médio de um ovo de galinha, 552 quilates e foi encontrado na mina de Djavik, no norte do Canadá. De acordo com a Bloomberg, a descoberta foi feita pela empresa especializada em mineração de diamantes canadense Dominion Diamond Mines e o grupo anglo-australiano Rio Tinto.

A pedra terá cerca do triplo do tamanho da seguinte maior pedra já encontrada também no Canadá. Trata-se da sétima maior descoberta deste século, de acordo com a análise da Bloomberg, e estará entre os 30 maiores diamantes já encontrados. O maior terá sido o diamante Cullinan, de 3106 quilates, encontrado na África do Sul em 1905.

As minas canadenses Diavik e a vizinha Ekati são conhecidas por produzir diamantes de alta qualidade, mas não pelo tamanho dos mesmos. Até agora, este título era das minas do sul de África. Na verdade, a mineração de diamantes nesta zona do Canadá é considerada complexa, pois o único acesso possível é por via aérea ou por estradas que, durante alguns meses do ano, estão cobertas de gelo e são ainda reconstruídas a cada inverno.

Aliás, o diretor executivo da Dominion, Shane Durgin, apelida esta descoberta de “milagre”, por a pedra ter sobrevivido ao processo de mineração.“É muito incomum um diamante deste tamanho nesta parte do mundo. É uma descoberta muito original”, remata.

Ainda que a mina onde foi encontrada seja em 60% detida pelo grupo Rio Tinto, a Dominion sido eleita detentora da pedra num leilão interno e irá selecionar alguém para em breve a cortar e polir. De acordo com Durgin, este diamante é adequado para produzir joias. “Podemos rotulá-lo de amarelo extravagante”, mas “devido à sua natureza áspera e às abrasões recebidas através da instalação de processamento” pouco mais se pode adiantar, explicou. Na verdade, “tudo depende, novamente, do corte e da pedra resultante”.

A tecnologia evoluiu e os últimos anos têm sido marcados por grandes descobertas.Agora, os mineiros podem primeiro detetar os diamantes antes de darem início a um processo que muitas vezes, sem este primeiro passo, pode comprometer as pedras.

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.