14 jun 2018 às 10:12 hs
A 7 dias do inverno, prognóstico é de pouca chuva e frio intenso, de até 2ºC

Início do mês teve ajuda de névoa úmida, mas, a partir do dia 21 de junho, é melhor preparar a garrafinha de água, já que o prognóstico é de estiagem e baixa umidade relativa do ar

Campo Grande News,

Frio seco, é perigoso. Neste período, a pele perde água, fica desidratada e ressecada, por isso, a hidratação é a melhor opção. (Foto: Saul Schramm)

O solstício de inverno começa só no dia 21 de junho, mas o clima gelado é sentido em Mato Grosso do Sul desde o primeiro dia do mês, com temperaturas abaixo dos 10°C e alta umidade relativa do ar, devido aos nevoeiros. No entanto, é melhor preparar o casaco e a garrafinha de água, já que o prognóstico aponta estiagem e frio intenso oscilando entre 2°C e 9 °C.

A estação que divide opiniões sobre ser “amada e odiada” por muitas pessoas é marcada por noites mais longas e dias mais curtos. No dia 21 de junho, serão 10h54 de dia e 13h06 à noite.
O inverno é a estação mais seca e fria do ano no Centro-Oeste do Brasil e, conforme prognóstico da Estacão Meteorológica Uniderp e meteorologista Natálio A. Filho, neste ano apresenta o mais baixo índice pluviométrico no meio da estação, ou seja, estiagem.

Na agricultura a redução das chuvas prejudica a produtividade e a queda significativa da temperatura com a formação de geada, afetando culturas como café, milho e hortaliças.

Mato Grosso do Sul pode ter chuvas reduzidas em julho e agosto. O número de dias com chuva durante a estação do inverno, climatologicamente, não deve ultrapassar três dias por mês.
A temperatura do ar pode apresentar grande diferença entre a temperatura máxima e a temperatura mínima, apresentando amplitude térmica em torno de 15°C.

Campo Grande – A temperatura máxima em Campo Grande durante o dia pode, ocasionalmente, alcançar valores elevados (acima a 30°C) durante a estação, embora seja a mais fria do ano.

Isto ocorre devido ao bloqueio causado por massas de ar quente e secas. Este bloqueio pode estender-se por vários dias, mantendo as condições do tempo estável, com dias ensolarados, sem chuva, com baixa umidade do ar, pouca nebulosidade e com alta concentração de poluentes.

A umidade relativa do ar devido à ausência de chuva registra números inferiores a 30%. Valores neste patamar conduzem aos estados de atenção (20 a 30%), alerta (12 a 20%) e emergência (abaixo de 12%).

Centro-Oeste – O inverno, com a entrada de massas de ar frio aumenta a ocorrência de quedas significativas de temperatura e episódios de nevoeiros e geadas, principalmente nas regiões serranas onde as temperaturas mínimas são inferiores a 6ºC.

No Estado, a temperatura mínima nesta época varia entre 10 a 14ºC em grande parte do Estado, sendo que as mais elevadas ocorrem ao norte e noroeste. A temperatura máxima varia entre 20 a 24ºC no centro-leste e de 26 a 30ºC no norte e centro-oeste.

Escassez de chuvas – As chuvas são escassas e quando ocorrem, os maiores valores concentram-se na faixa sul, sudeste e sudoeste do Estado. A umidade relativa do ar diminui na maior parte do Estado.

A partir de julho, há previsão de redução dos índices pluviométricos no centro-norte, nordeste e leste do estado em torno de 25%. As chuvas prosseguem abaixo das médias nessas regiões e só deve haver chuvas dentro das médias no sul, sudoeste e sudeste do estado.

Para Campo Grande, a média no trimestre é de 179,3mm e o esperado é de 135,0mm. Os maiores totais de chuva, somados no trimestre não serão superiores a 140 mm, nas regiões norte e nordeste.

Mínimas, médias e máximas esperadas – Para julho, Campo Grande deve registrar mínima de 5°C, máxima de 35°C e média de 19°C. Em Dourados, a mínima esperada é de 3°C, máxima de 30°C e média de 17,5°C. Ponta Porã cai para mínima de 2°C, máxima de 26°C e média de 16°C. Em Três Lagoas e Corumbá, a mínima fica aos 9°C máxima entre os 35 e 36°C.

Em Agosto, a mínima de Campo Grande sobe para 9°C, Dourados e Ponta Porã para os 6°C. Três Lagoas e Corumbá registram mínima de 12° e Coxim 14°C.

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.