Coreia do Norte avisa que EUA devem “evitar mau cheiro” se quiserem paz

Correio do Pantanal

17 mar 2021 às 06:34 hs
Coreia do Norte avisa que EUA devem “evitar mau cheiro” se quiserem paz

A irmã do líder norte-coreano responde a declaração de porta-voz da Casa Branca.

Coreia do Norte avisa que EUA devem "evitar mau cheiro" se quiserem paz
© EPA/JORGE SILVA / POOL

DN/Lusa16 Março 2021 — 13:03

Kim Yo Jong, irmã do líder da Coreia do Norte, avisou os Estados Unidos de que devem “evitar causar mau cheiro” se pretendem a paz com o regime norte-coreano e que o entendimento com a Coreia do Sul “não regressará facilmente”.

As declarações da irmã de Kim Jong Un, que tem vindo a assumir crescente protagonismo no regime norte-coreano, surgem depois de a porta-voz da Casa Branca, Jen Psaki, ter afirmado na semana passada que foram infrutíferas diversas tentativas de contacto com a Coreia do Norte desde que Joe Biden assumiu o cargo, há quase dois meses.

“O nosso objetivo é reduzir o risco de uma escalada. Mas até o momento não recebemos nenhuma resposta. (…) Há mais de um ano que não há diálogo ativo com a Coreia do Norte, apesar das várias tentativas de abordagem dos Estados Unidos”, adiantou a porta-voz da Casa Branca.

Segundo comunicado divulgado pela agência noticiosa estatal norte-coreana, KCNA, Kim Yo Jong, irmã do líder norte-coreano “avisou a nova administração dos Estados Unidos que se esforça para espalhar o cheiro de pólvora na nossa terra”.

“Se querem dormir em paz nos próximos quatro anos, é melhor evitarem causar um mau cheiro no primeiro passo que dão”, referiu.

O comunicado deixa também críticas a recentes manobras militares sul-coreanas, “jogos de guerra diminutos, agora que (o país vizinho) se encontra no atoleiro da crise política, económica e epidémica”.

“Os exercícios de guerra e a hostilidade nunca podem acontecer a par do diálogo e da cooperação”, disse Kim Yo Jong, avisando que o entendimento com a Coreia do Sul “não regressará facilmente” e que a Coreia do Norte poderá inclusivamente considerar romper o acordo militar inter-coreano para redução de tensões na fronteira comum.

O ex-presidente Donald Trump realizou três cimeiras com Kim Jong Un, e ambos os líderes mantiveram contacto por carta, mas a recusa pelos Estados Unidos de pedidos norte-coreanos para abrandamento das sanções sobre o país, terão estado na origem do afastamento.

Washington condicionou o abrandamento de sanções a medidas do regime norte-coreano para desmantelar seu programa nuclear, o que Kim Jong Un se recusou a fazer.

O secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken, e o secretário de Defesa, Lloyd Austin, chegaram hoje a Tóquio, na sua primeira viagem ao estrangeiro, com a missão de estreitar laços com os aliados asiáticos.

Na quarta-feira, os dois governantes deslocam-se à Coreia do Sul, para no dia seguinte Blinken reunir com os chefes da diplomacia chinesa, no Alasca – naquele que será o primeiro encontro oficial entre os governos dos EUA e da China desde que Biden tomou posse, em 20 de janeiro.

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.

%d blogueiros gostam disto: