Casal é condenado a 30 anos de prisão por morte de servidora pública em MS

Correio do Pantanal

5 set 2021 às 21:02 hs
Casal é condenado a 30 anos de prisão por morte de servidora pública em MS

Os dois acusados foram julgados nessa sexta-feira (03), em Porto Murtinho.

Por G1 MS

04/09/2021 17h08  Atualizado há um dia


Nathállia Corrêa Batista, foi morta aos 29 anos, em Porto Murtinho — Foto: Redes Sociais

Nathállia Corrêa Batista, foi morta aos 29 anos, em Porto Murtinho — Foto: Redes Sociais

O casal acusado de matar a servidora pública Nathállia Corrêa Batista, de 29 anos, em julho de 2019, em Porto Murtinho, a 443 quilômetros de Campo Grande, na fronteira com o Paraguai, foi condenado a 30 anos e 3 meses de prisão em regime fechado pelo crime.

José Romero, com quem a vítima mantinha um relacionamento amoroso, e Regiane Marcondes Machado, que seria amante dele, foram julgados nessa sexta-feira (03), tendo os jurados decidido pela condenação.

Crime

Conforme divulgado à época pela polícia, Nathállia foi vista pela última vez na casa de amigos, de onde saiu após dizer a um deles que se encontraria com Romero na pousada que era gerenciada por ela. Lá a jovem foi morta com um golpe de barra de ferro.

Da pousada, o corpo da servidora pública foi levado para a casa de Regiane. O cadáver foi queimado nos fundos do imóvel “mediante forte ação de fogo e calor’.

As cinzas foram colocadas em vasilhames e sacos plásticos e jogadas no rio Paraguai. O local onde houve a queima foi concretado para que não fossem encontrados vestígios. Os réus foram denunciados por feminicídio e homicídio doloso por motivo torpe, meio cruel e emboscada.

Ainda segundo a polícia, o gerente de pousada nega qualquer participação no crime e disse que foi a amante e uma terceira pessoa que mataram Nathállia. Já a mulher diz que foi o amante quem matou a servidora pública e ela apenas ajudou no transporte do corpo e na incineração.

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.