3 ago 2018 às 20:39 hs
 “O Pão da Vida”

PALAVRA  – Anúncio do Evangelho (Jo 6,24-35)

Naquele tempo, 24quando a multidão viu que Jesus não estava ali, nem os seus discípulos, subiram às barcas e foram à procura de Jesus, em Cafarnaum. 25Quando o encontraram no outro lado do mar, perguntaram-lhe: “Rabi, quando chegaste aqui?”

26Jesus respondeu: “Em verdade, em verdade, eu vos digo: estais me procurando não porque vistes sinais, mas porque comestes pão e ficastes satisfeitos. 27Esforçai-vos não pelo alimento que se perde, mas pelo alimento que permanece até a vida eterna, e que o Filho do Homem vos dará. Pois este é quem o Pai marcou com seu selo”.

28Então perguntaram: “Que devemos fazer para realizar as obras de Deus?”

29Jesus respondeu: “A obra de Deus é que acrediteis naquele que ele enviou”.

30Eles perguntaram: “Que sinal realizas, para que possamos ver e crer em ti? Que obra fazes? 31Nossos pais comeram o maná no deserto, como está na Escritura: ‘Pão do céu deu-lhes a comer’”.

32Jesus respondeu: “Em verdade, em verdade vos digo, não foi Moisés quem vos deu o pão que veio do céu. É meu Pai que vos dá o verdadeiro pão do céu. 33Pois o pão de Deus é aquele que desce do céu e dá vida ao mundo”.

34Então pediram: “Senhor, dá-nos sempre desse pão”.

35Jesus lhes disse: “Eu sou o pão da vida. Quem vem a mim não terá mais fome e quem crê em mim nunca mais terá sede”.  Palavra da Salvação. Glória a vós, Senhor.

MENSAGEM

Nosso coração está sempre insatisfeito do que é e do que tem… sempre está com fome de algo… E Deus intervém sempre na vida dos homens, saciando-os de toda fome.

Na 1a Leitura, Deus alimenta o Povo com o MANÁ. (Ex 16,2-4.12-15) O povo de Deus está no deserto faminto, a caminho da terra Prometida. Depois dos primeiros dias de entusiasmo pela liberdade conquistada, o povo sente a dureza da marcha e a escassez de alimento e de água. Recorda as seguranças que tinha no Egito…. Começa, então, a reclamar de Moisés e Aarão. No Egito era escravo sim, mas tinha comida em abundância.

E estavam dispostos a trocar a liberdade por um pouco de comida… Deus não o abandona, pelo contrário, oferece um alimento inesperado: o Maná e codornizes para que possam fortalecidos prosseguir a caminhada. O Maná é Sinal de outro alimento, de que nos falará o evangelho… A 2ª Leitura diz que quem se encontra com Cristo e o aceita como o “pão” da vida, deixa de ser homem velho e passa a ser “o homem novo”. (Ef 4,17.20-24) No Evangelho Jesus se apresenta como o “PÃO DA VIDA”. O Povo busca o pão do milagre e não o Messias que dá o pão. (Jo 6, 24-35) O capítulo 6o de João continua, introduzindo o “sermão do pão da vida”, que Jesus pronunciou na sinagoga de Cafarnaum, dando continuidade ao “sinal” da multiplicação dos pães. Entusiasmado com aquele milagre estrondoso, o povo procura Jesus. Poderia parecer um sucesso… Para Jesus, ao invés, foi um fracasso. O povo não entendeu o sentido daquele gesto. Por que o povo está à sua procura? Não foi para escutar suas palavras e aprofundar a sua mensagem. Mas porque comeu pão em abundância e de graça e esperava continuar tendo o pão garantido sem precisar trabalhar. 1) JESUS: critica essa procura e sugere outra procura: a FÉ. “Vocês estão me procurando porque comeram e ficaram satisfeitos. Não busquem o alimento que perece, mas o pão que permanece até a vida eterna.” Jesus não veio para oferecer pão com milagres, mas para ensinar que o amor e a partilha produzem pão em abundância. Quantos ainda hoje o procuram, esperando apenas graças… milagres… E quando não conseguem… passam para seitas que os prometem… 2) Povo: “Que obras devemos fazer para conseguir esse alimento que permanece até a vida eterna?” Jesus: “Que acrediteis naquele que Deus enviou…”:  Deus não exige “obras” (práticas da lei), mas fé em Cristo, enviado do Pai. 3) O Povo exige milagres para acreditar. Querem uma fé com garantias. Não foi suficiente a multiplicação dos pães: querem um sinal comparável ao de Moisés: Por isso, exigem: “Que sinal tu fazes para que vejamos e creiamos em ti?” Jesus: tenta explicar que foi Deus quem deu o Maná, e que o mesmo Deus envia o novo e verdadeiro pão do céu, que pode dar a vida verdadeira e sem fim. 4) E o Povo não entende a resposta de Jesus.      E fixo nos seus interesses materiais, insiste: “Senhor, dá-nos sempre desse pão”. Jesus, constrangido, esclarece: “EU SOU o Pão da vida… Quem vem a mim não terá mais fome

e quem crer em mim jamais terá sede”. Cristo, Palavra de Deus, é o único pão do céu que sacia plenamente nossa fome de felicidade e de paz do homem. No deserto, o Povo recebeu o Maná, um alimento para prosseguir a caminhada para a Terra Prometida… mas assim mesmo morreu. Hoje: Deus alimenta o seu povo com o pão da vida, com a sua PALAVRA, que é Jesus Cristo de Nazaré… E Nós o que buscamos? O Povo procurou o pão do milagre, não o seu autor. Não basta buscar o pão de cada dia. É necessário buscar o pão que não perece e dura até a vida eterna. O Pão da vida eterna está presente na bondade, no amor, na luta pela justiça, na construção de um mundo novo…

* Qual é a atitude que motiva a nossa busca de Deus, hoje? O encontro dominical é um momento privilegiado em que Cristo continua alimentar o seu povo, com sua palavra e seu pão… Nós aceitamos o convite e estamos aqui nessa celebração à sua procura. É uma procura sincera de Deus, animada pela fé, para um encontro pessoal com Cristo, “Pão da Vida”? Ou é apenas um encontro social, movido por motivos humanos? Peçamos que Deus aumente a nossa fé para perceber seus sinais e seguir com generosidade seus apelos… Façamos nosso (no bom sentido) o pedido do povo de ontem: “Senhor, dá-nos sempre desse pão”. O primeiro domingo de agosto é dedicado à Vocação Sacerdotal. Rezemos ao Senhor para que continue enviando sacerdotes para o serviço da evangelização e da fraternidade. Que ele continue abençoando e plenificando a vida de todos os sacerdotes. Pe. Antônio Geraldo Dalla Costa – 05.08.2018

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.