25 dez 2018 às 21:39 hs
A uma semana de 2019, aumenta expectativa sobre anúncio do 1° escalão de Reinaldo

MIDIAMAX

Com a proximidade da posse do governador reeleito Reinaldo Azambuja (PSDB), aumenta a expectativa sobre o anúncio do 1° escalão do tucano no Parque dos Poderes. Diversos foram ventilados desde a vitória sobre o juiz Federal Odilon de Oliveira (PDT), mas Reinaldo prefere manter o ar de mistério sobre as ‘pontuais’ mudanças no secretariado.

Azambuja deixou a escolha para os momentos finais de 2018 e o anúncio da nova equipe do governo deve ser feito nos próximos dias. Ele será empossado pela Assembleia Legislativa na próxima terça-feira (1°), às 15 horas, e até lá os novos titulares das secretarias de Estado já devem ser revelados.

O clima de incerteza reina no Parque dos Poderes e até seu coordenador de campanha na Capital, Carlos Alberto de Assis, da SAD (Secretaria de Estado de Administração e Desburocratização) prefere não contar vantagem até o anúncio. “Se sair, saio de cabeça erguida”, disse ele em agenda na semana passada.

O que é certo até o momento é a saída do secretário de Cultura e Cidadania, Athayde Nery. A pasta foi suprimida na reforma administrativa, aprovada nas sessões finais do parlamento estadual, e, a partir de 2019, será resumida a uma Fundação incorporada a Segov (Secretaria de Estado de Governo e Gestão Estratégica), sob o comando de Eduardo Riedel.

Reinaldo tem dito desde a reeleição que as mudanças serão pontuais e que algumas substituições serão a pedido dos próprios titulares. “Algumas substituições serão por motivos pessoais de alguns colaboradores que não querem continuar e outras são normais do rito do novo governo. Você vai começar com equipe que já pertenceu a esse atual e outros que comporão o trabalho pelos próximos 8 anos”, contou.

Outros nomes

Vice-governador, Murilo Zautih (DEM) também deve ter uma secretaria nas mãos. Reinaldo estuda dar ao democrata o comando da secretaria de Infraestrutura, nas mãos do engenheiro Helianey Paulo da Silva desde a saída de Marcelo Miglioli, que disputou uma vaga no Senado Federal em outubro.

Outra mudança quase certa será na SES (Secretaria de Estado de Saúde). Reinaldo ainda não ‘bateu o martelo’, mas já admitiu que o novo titular será definido com ‘sintonia’ com o atual mandatário, o advogado Carlos Alberto Coimbra, futuro ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta (DEM) e com o provável novo comandante, deputado federal Geraldo Resende (PSDB). Desta forma, Coimbra ficaria com o comando do HRMS (Hospital Regional de Mato Grosso do Sul).

De fora da próxima legislatura da Assembleia Legislativa, a deputada Mara Caseiro (PSDB) não deve sair de ‘mãos abanando’. Ela revelou que está articulando com Reinaldo espaço no Executivo Estadual. Ela disse anteriormente que Azambuja, assim como ela, que obteve mais votos que 11 deputados eleitos, manifestou insatisfação com uma Casa de Leis totalmente masculina em 2019.

Ele protagonizou desentendimento com o presidente do PRB, Wilton Acosta, por ter trocado apoio a Odilon por Reinaldo às vésperas da eleição. Acosta anunciou a expulsão do congressista pelo episódio.

A expectativa é que ele assuma a representatividade de Mato Grosso do Sul em Brasília. Conheço muitas pessoas em Brasília. Grandes investidores, embaixadores da China, Coreia e países da Europa”, disse Chaves, revelando vários convites.

Titular da Sefaz (Secretaria de Estado de Fazenda) e aliado de Reinaldo desde sua gestão como prefeito de Maracaju, Guaraci Fontana se aposentou e pode deixar a administração. Aliados, no entanto, acreditam que isso não deve se concretizar, pela longa trajetória de ambos.

Jaime Verruck, também pode deixar o comando da Semagro (Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar de Mato Grosso do Sul) e assumir a SAD de Carlos Alberto Assis, que poderia assumir a articulação política do Governo na Capital, ao lado de Sérgio de Paulo, homem de Reinaldo no interior, que já ocupou a extinta Casa Civil.

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.