Biden promete “resposta” à Coreia do Norte mas não quer confrontos com a China

Correio do Pantanal

25 mar 2021 às 17:38 hs
Biden promete “resposta” à Coreia do Norte mas não quer confrontos com a China

Joe Biden anuncia desejar voltar a candidatar-se em 2024 e com Kamala Harris como vice presidente

Biden promete "resposta" à Coreia do Norte mas não quer confrontos com a China
© EPA/SHAWN THEW

DN/Lusa25 Março 2021 — 19:08

OPresidente dos EUA, Joe Biden, prometeu esta quinta-feira “uma resposta” à escalada de tensões com a Coreia do Norte e disse não querer confrontos com a China.

“Para já, estamos a consultar os nossos parceiros e aliados. E haverá uma resposta se eles escolherem a escalada. Reponderemos em conformidade”, disse Biden, durante uma conferência de imprensa, referindo-se à ameaça da Coreia do Norte, que esta quinta-feira anunciou ter disparado dois mísseis balísticos no mar do Japão.

Tratou-se da primeira conferência de imprensa de Joe Biden desde que tomou posse no passado dia 20 de janeiro.

Subscreva as newsletters Diário de Notícias e receba as informações em primeira mão.SUBSCREVER

No relacionamento com Pyongyang, Biden disse estar “preparado para uma certa forma de diplomacia, mas sempre sujeita à condição da desnuclearização”, um ponto que os Estados Unidos colocam como fundamental para um entendimento com o Presidente norte-coreano, Kim Jong-un.

Biden reafirmou ainda que não quer confrontos com a China, mas reconheceu que haverá uma “concorrência renhida” com o regime de Pequim.

“Eu já disse isso várias vezes (ao Presidente chinês, Xi Jinping) pessoalmente: não queremos confrontos. Sabemos que haverá concorrência renhida, mas insistiremos em que a China respeite as regras internacionais: concorrência leal, práticas justas, comércio justo”, explicou o líder norte-americano.

Na conferência de imprensa, Biden falou ainda da situação no Afeganistão, dando a entender que não cumprirá o prazo de 01 de maio para a retirada de todas as forças militares norte-americanas desse país, tal como o ex-Presidente Donald Trump tinha negociado com os talibãs, no acordo de Doha. “Mas não tenciono ficar lá por muito tempo”, explicou o Presidente dos EUA.

Embora admitindo que não se pode comprometer ainda com um calendário para a retirada dos cerca de 2500 soldados que permanecem no Afeganistão, Biden sugeriu que os Estados Unidos já não devem ter qualquer presença militar no próximo ano.

Biden anuncia desejar voltar a candidatar-se em 2024 e com Kamala como vice

O Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, anunciou esta quinta-feira que planeia concorrer às eleições presidenciais em 2024, acrescentando que a vice-presidência seria entregue novamente a Kamala Harris.

“A resposta é sim, pretendo candidatar-me à reeleição. É o que espero”, afirmou o Presidente norte-americano de 78 anos, na primeira conferência de imprensa na Casa Branca.

Apesar da resposta assertiva, Biden disse ainda que vai respeitar o “destino”.

“Tenho um grande respeito pelo destino. Não poderia planear com certidão com quatro anos e meio, três anos e meio de antecedência”, indicou.

Sobre a possibilidade de voltar a enfrentar o ex-Presidente Donald Trump no próximo sufrágio, Biden disse “não pensar nisso” e “não ter ideia” de quem vai representar o Partido Republicano.

Por outro lado, questionado sobre se escolheria novamente Kamala Harris, a primeira mulher vice-Presidente na história dos EUA, Biden vincou esperar que “seja esse o caso”.

“Ela está a fazer um ótimo trabalho e é uma ótima parceira”, indicou.

A antiga senadora e ex-procuradora Kamala Harris está entre os candidatos já abordados para as eleições presidenciais de novembro de 2024.

Harris já se tinha candidato às primárias democratas em 2019, mas saiu da corrida antes do início das primeiras votações.

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.

%d blogueiros gostam disto: