Biden dá início ao maior programa de combate à pobreza desde os anos 60

Correio do Pantanal

16 jul 2021 às 06:15 hs
Biden dá início ao maior programa de combate à pobreza desde os anos 60

Governo norte-americano vai distribuir até 300 dólares mensais (254 euros) por cada filho como ajuda a 39 milhões de famílias, para paliar o impacto da pandemia do novo coronavírus

Biden dá início ao maior programa de combate à pobreza desde os anos 60
© EPA/Alex Edelman / POOL

DN/Lusa15 Julho 2021 — 23:42

Opresidente norte-americano, Joe Biden, deu esta quinta-feira início ao maior programa de combate à pobreza nos EUA, desde há 50 anos, com o foco nas famílias com filhos.

A partir desta quinta-feira, o governo vai distribuir até 300 dólares mensais (254 euros) por cada filho como ajuda a 39 milhões de famílias, para paliar o impacto da pandemia do novo coronavírus, segundo dados da Casa Branca.

“Creio que este é um dia histórico para continuar a construir uma economia que respeite e reconhece a dignidade das famílias da classe trabalhadora e da classe média”, disse Biden, ao discursar na Casa Branca.

Subscreva as newsletters Diário de Notícias e receba as informações em primeira mão.SUBSCREVER

Segundo o presidente, quase todas as famílias nos EUA com filhos que ganhem menos de 150 mil dólares por ano, por casal, ou 125 mil, em caso de mães ou pais solteiros, começam a partir desta quinta-feira a receber o seu primeiro cheque mensal.

Este é o maior plano de combate à pobreza desde a década de 1960, quando o então presidente Lyndon Johnson (1963-1969) lançou a estratégia conhecida como “guerra contra a pobreza”.

Biden esteve acompanhado na apresentação do programa pela vice-presidente, Kamala Harris, que assegurou que este é “um grande dia” para todas as famílias dos EUA.

Esta ajuda integra o pacote de apoio económico promulgado em fevereiro por Biden e “dá um alívio fiscal às famílias trabalhadoras, de classe média e com filhos a cargo”, realçou o presidente.

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.