Autoridades portuguesas confirmam investigação ao avião privado com 500 quilos de droga

Correio do Pantanal

23 fev 2021 às 15:40 hs
Autoridades portuguesas confirmam investigação ao avião privado com 500 quilos de droga
Autoridades portuguesas confirmam investigação ao avião privado com 500 quilos de droga
Foto: Polícia Federal Do Brasil

Roberto Bessa MoreiraHoje às 17:35

Autoridades portuguesas confirmam investigação ao avião privado com 500 quilos de droga

Inquérito que corre termos no Departamento Central de Investigação e Ação Penal. Caso envolve João Loureiro, ex-presidente do Boavista.

As autoridades portuguesas estão a investigar o caso do jato privado que se preparava para transportar 500 quilos de cocaína entre o Brasil e Portugal. É a própria Procuradoria-Geral da República que confirma a abertura de um inquérito. “Confirma-se a existência de um inquérito que corre termos no Departamento Central de Investigação e Ação Penal. O mesmo encontra-se sujeito a segredo de justiça, pelo que não é possível prestar informação adicional”, informa fonte oficial da Procuradoria-Geral da República após questões enviadas pelo JN.

Recorde-se que, em 9 de fevereiro, a Polícia Federal Brasileira descobriu 500 quilos de cocaína escondidos num avião privado, que deveria trazer o ex-presidente do Boavista, João Loureiro, para Portugal. O jato foi apreendido no aeroporto de Salvador da Bahia, de onde deveria partir para Tires, em Portugal. A rota prevista da aeronave previa uma paragem em Cabo Verde.

O ex-presidente do Boavista assegura que não tem nada a ver com a droga e que até tinha alertado o comandante para fazer “uma inspeção rigorosa ao avião”. Diz-se totalmente disponível para colaborar com as autoridades. Foi interrogado por quatro horas e cedeu informações e dados do seu telemóvel, como fotografias e mensagens.Partilhe este artigo no Face

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.