Áudios revelam esquema de cobrança de propinas que levou 30 policiais do Paraná para a cadeia

Correio do Pantanal

8 ago 2021 às 21:26 hs
Áudios revelam esquema de cobrança de propinas que levou 30 policiais do Paraná para a cadeia

Eles são suspeitos de ajudar contrabandistas vindos do Paraguai e, segundo as investigações, teriam faturado mais de R$ 10 milhões com propinas e com a venda das mercadorias apreendidas que eram desviadas.

Por Fantástico

08/08/2021 20h32  Atualizado há uma hora


Áudios revelam esquema de cobrança de propinas que levou 30 policiais para a cadeia

Áudios revelam esquema de cobrança de propinas que levou 30 policiais para a cadeiahttps://5789248416cf0a49a4e2fbf3ec6b671d.safeframe.googlesyndication.com/safeframe/1-0-38/html/container.html

No Paraná, 30 policiais militares foram presos suspeitos de ajudar contrabandistas vindos do Paraguai. A região é usada para a entrada ilegal de perfumes, eletrônicos, armas e drogas e áudios obtidos pelo Ministério Público Estadual e pela Corregedoria da PM revelam um esquema de cobrança de propinas para liberação de cargas e desvio de mercadoria apreendida.

Entre os presos está o capitão Rodrigo dos Santos Pereira, que era o comandante da quarta companhia da Polícia Rodoviária do Paraná. As investigações apontam que ele recebia pagamentos mensais para encobrir o esquema de corrupção e ajustar a escala dos patrulheiros no posto policial.

Entre os crimes cometidos estava o desvio de parte das mercadorias apreendidas. Para não levantar suspeitas, os policiais preenchiam os boletins de ocorrência com informações imprecisas sobre as apreensões. Sem a quantidade correta, apenas uma pequena parte do que era apreendido era apresentada à Receita Federal. Dois policiais chegaram a abrir um loja para vender os produtos eletrônicos desviados, mas a maioria era repassada a comerciantes da região a preços abaixo do mercado.

O grupo mantinha também um esquema muito bem organizado de cobrança de propina, dependendo do tamanho do veículo e do que era transportado. Em uma das negociações gravadas, com um contrabandista para a liberação de uma carga de cigarros, os policiais pediram R$ 200 mil reais e o acerto ficou em R$ 150 mil, com a garantia de escolta da carga com as próprias viaturas da polícia.

Segundo o Ministério Público, quando havia apreensão de drogas, parte da carga também era desviada.

A suspeita é que os policiais corruptos tenham faturado mais de R$ 10 milhões de reais com propinas e com a venda das mercadorias. Veja na reportagem acima.

Ouça os podcasts do Fantástico:

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.