14 maio 2018 às 09:04 hs
Após vencer doença e conhecer ídolo, jovem morre em acidente de trânsito na Capital

Boxeador foi diagnosticado com diabetes aos 5 anos e venceu a doença com ajuda dos treinos. Nas aulas, recebeu a visita do Popó.

Jhonny com Acelino Freitas, o Popó (Foto: Arquivo pessoal )

Era só mais um dia de treino mas, de repente, entrou pelo portão o boxeador Acelino de Freitas, o Popó. O tricampeão mundial fez, em fevereiro deste ano, uma surpresa a um projeto social de boxe da Vila Popular, em Campo Grande. Entre os alunos, estava Jhony Sanches Feitosa, de 20 anos, morto na última sexta-feira (11), em mais um acidente de trânsito na Capital.

Foi a realização de um sonho para Jhony, que conheceu o maior ídolo dele. O encontro teve direito a fotos, abraços e muita emoção. A visita de Acelino Freitas ao projeto social foi registrada pela reportagem da TV Morena. Jhony aparece nas imagens entusiasmado ao lado do ídolo, e durante a entrevista revela um outro motivo de felicidade.

“Comecei a treinar o boxe e agora não preciso de tanto remédio, tenho remédio sobrando “, disse o jovem, que se referia ao tratamento de diabetes.

Segundo a família, Jhony foi diagnosticado com a doença quando tinha apenas 5 anos de idade. Antes, a mãe dele, Erminia Sanches, de 43 anos, conta que o garoto sofreu muito e quase morreu. “Começamos a notar o que tinha de errado quando ele começou a emagrecer muito, ele se recusava a comer normalmente, não queria almoçar e nem jantar, só queria iogurte”, disse a mãe.

Em 2003, por falta de alimentação correta, Jhony ficou muito doente. Debilitado, ele foi internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), da Santa Casa e recebeu o diagnótico da doença. Depois de receber alta, o garoto passou a controlar a doença com insulina, tratamento feito até antes de morrer.

Infância e adolescência

Quando criança, Jhony adorava brincar com pipas. Com o tempo, passou a fazer as próprias que soltava, e chegava a fabricar algumas para os amigos sem cobrar nada. A adolescência chegou e, por conta da doença e recomedação médica, era necessário que ele intessificasse as atividades físicas. Jhony tentou jogar futebol, mas, segundo a mãe, ele se machucou 2 vezes, em uma delas chegou a quebrar uma perna. Os acidentes em campo fizeram o adolescente tentar outro esporte, foi a partir daí que ele conheceu o boxe.

Jhony começou a lutar boxe com 12 anos de idade, como não tinha dinheiro para pagar um academia particular, ele se matriculou em um projeto social da periferia de Campo Grande. O garoto mostrou talento desde os primeiros dias de treinamento, segundo conta o técnico e criador do projeito, Nilson Ferreira. “Quando eu vi o Jhony se movimetando, logo de cara eu percebi que ele levava jeito pra coisa, muito ágil e inteligente ele aprendeu rápido e virou um dos principais talentos do projeto”, disse o técnico.

Depois de pouco tempo treinando, Jhony passou a conquistar títulos expressivos: foi tricampeão do Circuito Sul-Mato-Grossense, campeão estadual, e em 2014, ficou em 5º lugar no Campeonato Brasileiro. O boxeador se afastou das competições por dois anos e voltou recentemente aos treinamentos. Jhony se preparava para participar do segunda etapa do Circuito Estadual de Boxe, em junho. Nas últimas semanas passou a treinar com intesidade e dizia que contato com Popó o inspirou a voltar a lutar e vencer. Porém, o acidente fatal enterrompeu a continuação do sonho do jovem lutador.

O acidente

Jhony se envolveu em acidente de trânsito na última sexta-feira (11), no bairro bairro José Abrão, em Campo Grande. A moto que ele pilotava bateu em um caminhão-caçamba. O boxeador foi parar debaixo do caminhão e morreu na hora, com ferimentos principalmente no torax.

Arquivo pessoal  (Foto: Projeto social funciona na lateral de uma casa )

Arquivo pessoal (Foto: Projeto social funciona na lateral de uma casa )

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.