14 abr 2018 às 07:01 hs
Ataque na Siria visou três alvos principais e durou uma hora

70 minutos de bombardeamentos com mísseis e aviões anti-radar

As Forças Armadas dos EUA anunciaram esta noite que os ataques realizados tiveram três alvos principais, todos ligados à infraestrutura de armamento químico do regime de Bashar al-Assad.

O ataque teve início às 2:00 (hora de Lisboa), informou o general Joseph Dunford, chefe do Estado-Maior.

O primeiro alvo foi um centro de pesquisa de Damasco, o segundo foi um paiol com armas químicas, incluindo gás sarin, a oeste da cidade de Homs, e um terceiro, nos usbúrbios, que Dunford descreveu como “um importante centro de comando” dos meios de ataque com este tipo de armamentos.

Esta primeira onda de ataque “terminou e é por isso que estamos a falar agora”, disse ainda Dunford, cerca das 3:00.

Segundo a CNN, nas ações militares foram utilizados bombardeiros B-1, invisíveis ao radar.

Presente nesta conferência de imprensa está o secretário da Defesa, James Mattis, que afirmou ser objetivo desta operação enviar “uma mensagem clara a Assad e aos seus subalternos que não podem voltar a utilizar armas químicas”

“Estes ataques são dirigidos ao regime sírio. Ao prepará-los tentámos minimizar os danos civis”, afirmou Matthis.

Joseph Dunford adiantou por seu lado que os alvos foram “identificados especialmente” tendo em conta o risco de atingir forças russas no local. No entanto, afirmou, não houve qualquer aviso especial a Moscovo de que a operação se iria realizar. “Não coordenámos os ataques” com as forças russas”, afirmou.

Os responsáveis marcaram para a manhã deste sábado um novo briefing.

Semelhante há um ano

A 6 de abril de 2017, após mais de 80 pessoas terem morrido num ataque químico que o ocidente julga ter provas irrefutáveis de que foi executado pelo regime de Bashar al-Assad, os EUA lançaram mísseis contra as infraestruturas do regime.

Na altura, os Estados Unidos agiram sozinhos. O secretário da Defesa, James Mattis, afirmou que agora foram utilizados o dobro do número de armas do que nessa altura.

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.