11 fev 2018 às 13:15 hs
Cientistas desenvolvem óvulos humanos em laboratório pela primeira vez

Técnica pode ser esperança para mulheres ou adolescentes que se submetem a tratamentos que acarretam riscos para a fertilidade, nomeadamente quimioterapia

Uma equipa de cientistas britânicos conseguiu desenvolver óvulos humanos em laboratórios pela primeira vez, o que pode contribuir para melhorar tratamentos de fertilidade, segundo um estudo hoje divulgado.

Segundo o artigo publicado na revista especializada “Molecular Human Reproduction“, especialistas da Universidade de Edimburgo extraíram células de óvulos do tecido ovárico nas suas primeiras fases de desenvolvimento e fizeram-nas crescer até estarem prontos a ser fertilizados.

Os cientistas tornaram assim possível o desenvolvimento do óvulo humano fora do ovário, desde a sua primeira fase até atingir a plenitude da sua maturidade, segundo o estudo que é citado pela agência de notícias EFE.

O crescimento dos óvulos documentado pelos investigadores

  |  PROF. EVELYN TELFER E DR. MARIE MCLAUGHLIN/ UNIVERSIDADE DE EDIMBURGO VIA REUTERS

Contudo, os investigadores admitem que é necessário realizar estudos adicionais para que este método possa ser usado em prática clínica, mas consideram que é relevante porque oferece esperança a mulheres ou adolescentes que se submetem a tratamentos como quimioterapia – com riscos de esterilidade -, permitindo que possam vir a recuperar óvulos, amadurecendo-os fora do ovário, de modo a que possam ser posteriormente armazenados para fertilização.

Atualmente, as mulheres podem congelar seus óvulos maduros – ou mesmo embriões, se tiverem sido fertilizados com o esperma de um casal – antes de iniciar tratamentos médicos como a quimioterapia, embora esta opção ainda não seja possível no caso de crianças ou adolescentes que estão doentes.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.