11 jan 2018 às 10:31 hs
Trump considera recolocar os EUA no Acordo Climático de Paris

VEJA

O presidente dos EUA, Donald Trump e a primeira-ministra da Noruega, Erna Solberg, durante um pronunciamento à imprensa na sala leste da Casa Branca, em Washington, DC – 10/01/2018 (Brendan Smialowski/AFP)

O presidente dos Estados UnidosDonald Trump, disse na quarta-feira (10) que considera a possibilidade de recolocar o país no Acordo do Clima de Paris. Porém, segundo o republicano, isso só acontecerá após a negociação de condições que não prejudiquem a economia americana.

“Como de costume, eles (seu antecessor, o ex-presidente Barack Obama) fizeram um mau negócio”, disse Trump. “Então, nós podemos voltar atrás. Mas eu direi isso: nos preocupa muito o meio ambiente, me preocupo muito com o meio ambiente”, completou durante uma entrevista coletiva ao lado da primeira-ministra da NoruegaErna Solberg, que fazia uma visita oficial à Casa Branca.

“Queremos água e ar limpo, mas também negócios competitivos, e o Acordo de Paris pode tirar nossa competitividade. Não vou permitir que isso ocorra”, disse o presidente americano.

Trump afirmou mais uma vez que o pacto climático trata os Estados Unidos de maneira muito injusta ao impor “grandes sanções” ao país por utilizar valiosos recursos disponíveis no território americano, como gás, carvão e petróleo. Dessa forma, segundo o presidente, a aplicação do acordo poderia provocar o fechamento de empresas.

Em junho do ano passado, Trump cumpriu uma de suas promessas de campanha ao anunciar a saída dos Estados Unidos do Acordo de Paris, com o argumento de que o pacto coloca a economia e os trabalhadores americanos em “permanente desvantagem”.

O anúncio fez com que todas as medidas em andamento para que os Estados Unidos se adequassem às metas propostas pelo pacto fossem suspensas, entre elas a proposta de Obama de reduzir as emissões de gases estufa entre 26% e 28% até 2025.  No entanto, antes das declarações de hoje, o governo Trump já tinha cogitado a possibilidade de recolocar o país no acordo climático no futuro ou a de negociar um pacto mais justo para os americanos.

Segundo as normas do acordo, a saída americana só será efetivada em 4 de novembro de 2020, um dia depois das próximas eleições presidenciais do país, nas quais Trump buscará a reeleição.

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.